Mãe de Geddel alega "orientação médica" e falta a depoimento sobre R$ 51 milhões

Por iG São Paulo

Defesa pediu para depoimento de Marluce Quadros ser adiado, mas juiz fixou prazo para matriarca da família Vieira Lima responder por escrito

Divulgação/Polícia Federal
Dinheiro encontrado em "bunker" de Geddel Vieira Lima 
foi maior apreensão da Polícia Federal: R$ 51 milhões

Marluce Quadros Vieira Lima, mãe do ex-ministro Geddel e do ex-deputado Lúcio Vieira Lima, faltou ao depoimento marcado para a tarde desta sexta-feira (15) na 10ª Vara Criminal do Distrito Federal, em Brasília. Esta já é a segunda vez que Marluce não vai à audiência.

A mãe de Geddel seria ouvida no âmbito de ação que apura a origem dos R$ 51 milhões encontrados pela Polícia Federal, em 2017, em um bunker da família Vieira Lima em Salvador (BA). 

A defesa de Marluce, no entanto, alegou no fim da tarde de ontem, já após o término do expediente na Justiça Federal, que ela não poderia comparecer à audiência por "determinação médica" e pediu que o depoimento fosse mais uma vez adiado. Os advogados já haviam apresentado outro atestado, de 90 dias, no fim de outubro.

O juiz substituto da 10ª Vara, Ricardo Soares Leite, rejeitou o pedido da defesa e determinou que Marluce responda aos questionamentos do Ministério Público Federal (MPF) por escrito.

O magistrado justificou a decisão destacando a "atenção aos princípios da celeridade, lealdade processual, busca da verdade real, ampla defesa e contraditório, bem como o interesse de resguardar a saúde da acusada, garantindo sua integridade física e psíquica".

O juiz deu prazo de dez dias – a serem contados a partir da próxima segunda-feira (18) – para os procuradores e também para os advogados da defesa formularem suas perguntas. Após o recebimento, Marluce terá 15 dias para apresentar suas respostas.

Marluce Quadros Vieira Lima foi denunciada inicialmente ao Supremo Tribunal Federal (STF), junto aos filhos Geddel e Lúcio e mais três pessoas: o ex-assessor parlamentar de Lúcio, Job Brandão; o ex-aliado de Geddel no diretório do MDB na Bahia Gustavo Pedreira do Couto Ferraz; e o empresário Luiz Fernando Machado da Costa Filho, sócio da construtora Cosbat.

A parte da ação que se refere a Marluce foi desmembrada da ação original e enviada à primeira instância da Justiça justamente porque a matriarca dos Vieira Lima não pôde ser interrogada e o relator do caso no STF, ministro Edson Fachin, não queria que o caso ficasse parado.

Essa ação contra Marluce, Geddel , Lúcio e os três demais réus apura supostos crimes de lavagem de dinheiro e organização criminosa envolvendo os R$ 51 milhões que estavam escondidos em apartamento em Salvador. A Procuradoria-Geral da República (PGR) alega que parte dos valores foram empregados pelo grupo na compra e revenda de imóveis de alto padrão na capital baiana como meio de ocultar suas origens. 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Gabarito preliminar das provas do Concurso Público da Prefeitura de Santa Cruz do Capibaribe

Carreata da Frente Popular lota as ruas de Santa Cruz do Capibaribe em apoio à campanha de Paulo Câmara