Após resultado fraco, PIB do Brasil continua na lanterna global

Com alta de apenas 1,1% em 2018, economia brasileira só não cresceu mais do que as da Itália e do Japão em um ranking de 42 países

RH Rosana Hessel
Correio Braziliense
A média geral do PIB levantada pelo economista-chefe da Austin, Alex Agostini, ficou em 3,2%(foto: Lucas Pacífico/CB/D.A Press)

Ao registrar o crescimento de 1,1% no Produto Interno Bruto (PIB) em 2018, conforme dados divulgados, nesta quinta-feira (28/02), pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o Brasil manteve-se na rabeira do crescimento global. Levantamento feito pela Austin Rating revela que o Brasil ficou na 40ª colocação em um ranking de 42 países, à frente apenas de Itália e de Japão, cujas economias tiveram expansão de 0,8% e 0,7%, respectivamente.

A média geral do PIB levantada pelo economista-chefe da Austin, Alex Agostini, ficou em 3,2%, ou seja, pouco mais de três vezes acima da taxa do PIB brasileiro. A previsão o crescimento global é de 3,7% e a média dos países do Brics (grupo de economias emergentes de crescimento rápido) está bem mais acima: em 5,1%. 

“O resultado do PIB veio abaixo do que esperávamos, de alta de 1,3%, porque decepcionou na parte da indústria e do investimento. Com isso, o país continua crescendo pouco e, para ter uma expansão acima de 3% ao ano de forma sustentável, será necessária uma taxa de investimento próxima às da China e da Índia, em torno de 30% do PIB”, afirmou. 

De acordo com os dados do IBGE, a taxa de investimento brasileira ficou em 15,8% do PIB, uma leve alta em relação aos 15% registrados no quarto trimestre de 2017. “Isso significa que o país continuará com um crescimento baixo por um longo período. O mundo e os demais países emergentes crescem mais do que o Brasil e o país não consegue crescer mais devido aos velhos problemas: corrupção, infraestrutura precária e carga tributária elevada”, lamentou Agostini. Ele contou que, por conta do resultado abaixo do esperado em 2018, ele reduziu de 3% para 2,6% a previsão de crescimento do PIB em 2019.

Como Índia e Estados Unidos ainda não divulgaram seus resultados, Agostini contou que considerou uma estimativa de crescimento para esses países, de 7,5% e de 2,7% para elaborar a tabela que costuma ser composta apenas pelas economias que já divulgaram seus resultados. Ainda hoje, os EUA registraram alta de 2,9%, acima dessa previsão. O ranking é liderado pela Índia, e, em segundo lugar ficou a China, com alta do PIB de 6,6%. O país latino-americano melhor colocado foi o Peru, com crescimento econômico de 4%, na 14ª colocação. O México ficou na 33ª posição, com alta de 2%.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Gabarito preliminar das provas do Concurso Público da Prefeitura de Santa Cruz do Capibaribe

Carreata da Frente Popular lota as ruas de Santa Cruz do Capibaribe em apoio à campanha de Paulo Câmara