Ninguém pode ameaçar um deputado e 'sentir-se impune', diz Maia

‘Mesmo estando em posições divergentes no campo das ideias, reconheço a importância do seu mandato’, posicionou-se presidente da Câmara sobre decisão de Jean Wyllys (Psol)


Foto: José Cruz/Agência Brasil

Jornal GGN - O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ) se manifestou nesta quinta-feira (24) logo após o anúncio do deputado Jean Wyllys (Psol-RJ) desistindo de assumir o terceiro mandato por estar sofrendo ameaças.

Em nota enviada à imprensa, o parlamentar disse que ninguém pode ameaçar um deputado federal e sentir-se impune: "Lamento a decisão tomada pelo deputado Jean Wyllys. Como presidente da Casa, e seu colega na Câmara, mesmo estando em posições divergentes no campo das ideias, reconheço a importância do seu mandato. Nenhum parlamentar pode se sentir ameaçado, ninguém pode ameaçar um deputado federal e sentir-se impune", escreveu.

Wyllys começou a relatar ameaças logo após a morte da vereadora Marielle Franco (PSL-RJ) alvejada junto com seu motorista, Anderson Gomes, em 14 de março do ano passado. Poucos dias antes do seu assassinato, a vereadora havia feito denúncias contra a ação abusiva de Policiais Militares. 

No início desta semana, o Ministério Público do Rio de Janeiro, junto com a Polícia Federal, deflagrou a operação Os Intocáveis, prendendo suspeitos da morte de Marielle que atuavam na milícia de Rio das Pedras, a mais antiga e perigosa do Estado do Rio de Janeiro. Dois deles, foram condecorados na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro pelo deputado e senador eleito, Flávio Bolsonaro. As investigações mostram, ainda, que mulher e esposa de um dos ex-policiais envolvidos na organização criminosa, trabalharam no gabinete do filho mais velho do presidente Jair Bolsonaro. 

Jean Wyllys é o primeiro deputado federal assumidamente gay eleito no Congresso. Ao anunciar que não assumirá o próximo mandato e se mudará do país, o ex-parlamentar escreveu nas suas redes sociais que "preservar a vida ameaçada é também uma estratégia da luta por dias melhores". 

"Fizemos muito pelo bem comum. E faremos muito mais quando chegar o novo tempo, não importa por outros meios. Obrigada a todas e todos vocês, de coração. Axé!".

Quem irá substituir Wyllys na Câmara será o suplente David Miranda, gay, casado e pai de dois filhos. O parlamentar recebeu 17.356 votos, o equivalente a 0,22% dos válidos, e garantiu a primeira suplência do PSol.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Gabarito preliminar das provas do Concurso Público da Prefeitura de Santa Cruz do Capibaribe

Carreata da Frente Popular lota as ruas de Santa Cruz do Capibaribe em apoio à campanha de Paulo Câmara