3 fatos científicos sobre a ressaca para você evitar a fadiga

Beber água não cura os efeitos da bebedeira, 
mas refrigerante de limão sim

POR REDAÇÃO GALILEU

(FOTO: DIVULGAÇÃO)

Pode ter certeza de que, após toda bebedeira, uma ressaca daquelas estará a sua espera. Mas como fazer para derrotar este mal que assola a humanidade? Muitas dicas populares rolam por aí sobre o assunto, mas a maioria não é confiável. Por isso, separamos três fatos cientificamente comprovados para você saber aproveitar melhor seus momentos de farra.

1 - Beber água e comer alimentos pesados não cura a ressaca

Diferente do que muitos pensavam, ingerir água e comer bastante depois da farra não ajuda a aliviar os efeitos da noite de bebedeira. Um grupo de cientistas do Canadá e Holanda conduziu estudos com quase 800 estudantes holandeses para entender seus hábitos contra ressaca e se eles realmente faziam algum efeito.

Metade dos entrevistados bebeu água antes de dormir; um pouco mais de dois terços ingeriu o líquido enquanto festejavam; e um pouco mais de 50% deles se alimentaram de forma generosa após a farra. Ou seja, cumpriram a receita básica conhecida por aplacar os efeitos de uma noite regada a álcool. Acontece que, apesar de relatarem uma leve melhora, a ressaca não foi menos intensa do que aqueles que nada fizeram. Segundo um dos pesquisadores, a água pode até aplacar a boca seca e a sede, mas não aplacará a náusea nem a dor de cabeça. A solução: se hidratar muito durante a bebedeira e beber menos álcool. 

2 - Existem bebidas que dão mais ressaca do que outras 

De acordo com uma pesquisa feita por cientistas americanos com estudantes universitários, o uísque e outras bebidas que contenham maior quantidade de congêneres tendem a causar mais dor de cabeça aos seus usuários. Os congêneres são substâncias produzidas durante a fermentação, além do próprio álcool. Alguns exemplos são a acetona, o acetaldeído e a tannis, mais conhecida por dar o tom escuro às bebidas.

Foram dados aos participantes do estudo, variados tipos coquetéis alcoólicos, em quantidades diferentes, durante variados dias. Apesar de não afetarem os testes de performance de nenhuma maneira especial, os uísques do tipo bourbon foram os responsáveis pelas piores ressacas, segundo os estudantes. As bebidas de cor mais clara, como a vodka e o gin trouxeram menos mal estar no dia seguinte. Ou seja, se quer ficar um pouco mais tranquilo, beba o drink mais transparente que tiver.

3 - Beber refrigerante pode melhorar as coisas

Mas não é qualquer refrigerante. Cientistas da China descobriram que bebidas gaseificadas de sabor limão podem ajudar muito a aplacar os efeitos da ressaca. O que acontece é que as moléculas de etanol do álcool, quando chegam ao nosso fígado, são quebradas primeiro pela enzima chamada de álcool desidrogenase. Com isso, forma-se uma substância chamada acetaldeído. É essa molécula responsável pelos principais sintomas da ressaca, segundo os cientistas.

Depois, uma outra enzima, chamada aldeído desidrogenase, quebra o acetaldeído em algo chamado acetato. O que o refrigerante de limão faz é estimular a ação das últimas enzimas, diminuindo o período de tempo e a quantidade de acetaldeído no corpo e aumentando a de acetato. Com isso, sua ressaca pode durar menos tempo. 

Leia mais:

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Carreata da Frente Popular lota as ruas de Santa Cruz do Capibaribe em apoio à campanha de Paulo Câmara