O mito por trás do voto nulo

O voto branco e nulo é a alternativa usada por eleitores descrentes com o processo eleitoral. Saiba quais são os seus efeitos no pleito

Por: Marcelo Montanini
Do Blog da Folha

Título de eleitor - Foto: Rafael Neddermeyer/Fotos Públicas

Os votos nulos e brancos - considerados votos inválidos - podem até ser opções para os eleitores que não querem votar em algum candidato, mas, ao contrário do que se propaga nos períodos eleitorais, não têm o poder de cancelar uma eleição. Entretanto, eles podem afetar indiretamente o resultado do processo eleitoral, visto que diminui o quociente de votos válidos. Apesar dos especialistas avaliarem que dificilmente um candidato vencerá a disputa presidencial de 2018 no primeiro turno, há chances disso ocorrer. 

O assessor da corregedoria do Tribunal Regional Eleitoral de Pernambuco (TRE-PE), Orson Lemos, exemplifica: se houver 30% de votos nulos e brancos ou abstenções e um candidato alcançar 35% dos votos, este conseguiria se eleger por atingir mais da metade dos votos válidos. “Os eleitores que jogam voto no lixo baixam o quociente dos votos”, conclui. Isso aconteceu nas eleições presidenciais em 1994 e em 1998, nos pleitos que Fernando Henrique (PSDB) venceu. 

O voto nulo era visto por alguns como “voto de protesto”, embora não contabilizados pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE). Já o cientista político Antônio Lucena, do Observatório do Poder, avalia que as abstenções e votos brancos ou nulos no primeiro turno devem se manter na margem de 25% - que é o padrão desde 2002. Mas pondera que, no eventual segundo turno entre Jair Bolsonaro (PSL) e Fernando Haddad (PT), essa média tende a subir. Afinal, ambos catalisam resistência do eleitorado.

Mitos

Os defensores da campanha do voto nulo se apegam ao Artigo 224 do Código Eleitoral, que prevê a necessidade de marcação de nova eleição se a nulidade atingir mais de metade dos votos do País. Lemos explica que a “nulidade” em questão trata-se de irregularidade e impugnação. Ou seja, se um candidato, que concorreu sub judice vencer e a Justiça posteriormente declarar os votos que ele recebeu nulo, outra eleição será realizada. Outro mito que ressurge a cada eleição é a do voto branco contabilizado para o candidato vencedor. Lemos reitera que votos nulos, assim como os brancos, não são computados como válidos e não cancelam o pleito.

Fake news

Um boato que circula no Whatsapp foi desmentido pelo Tribunal Regional Eleitoral de Pernambuco (TRE-PE). Na mensagem, o eleitor que deixar de votar em um dos cargos terá todos os votos anulados. De acordo com o TRE, “se o eleitor confirmar pelo menos um voto, deixando de concluir a votação para os demais cargos, o presidente da mesa receptora de votos o alertará sobre o fato, solicitando que retorne à cabina e conclua a votação”.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Gabarito preliminar das provas do Concurso Público da Prefeitura de Santa Cruz do Capibaribe

Carreata da Frente Popular lota as ruas de Santa Cruz do Capibaribe em apoio à campanha de Paulo Câmara