O que os programas de governo dizem sobre as mulheres?

Carta Capital

Dos 13 presidenciáveis, 4 mal chegaram a citar o termo “mulher” em seus planos de governo e apenas 5 apresentam propostas concretas em relação a elas

P. WHITAKER REUTERS
Confronto entre Marina e Bolsonaro mostrou que ela tem apostado cada vez mais no eleitorado feminino que ainda não escolheu seu voto, ponto fraco do candidato do PSL

As mulheres, que formam 52,5% do eleitorado brasileiro, têm chamado a atenção nas estatísticas deste ano por um motivo: a alta taxa de indecisão das eleitoras. Em um país em que as mulheres são subrepresentadas na política institucional e nos espaços de tomada de decisões, os candidatos têm tido fracasso em conquistar a confiança das eleitoras. Um terço delas ainda não tem o voto definido.

Segundo a última pesquisa do Datafolha, divulgada antes do atentado ao candidato Jair Bolsonaro, em um cenário sem o ex-presidente Lula, 34% das das mulheres não encontraram um candidato. O número de eleitoras que pretende votar em branco, anular ou não votar é sete pontos percentuais maior do que o de homens que, por enquanto, pretendem fazer o mesmo. Os números da indecisão são inéditos considerando os últimos 30 anos.

O cenário torna precioso o voto das mulheres, ainda mais levando em conta que, sem Lula, não há um favorito disparado. Conforme outubro se aproxima, esse eleitorado torna-se cada vez mais disputado.

Exemplo disso é o súbito crescimento da popularidade de Marina nos últimos debates. O confronto entre ela e Bolsonaro no evento promovido pela RedeTV! mostrou que Marina tem apostado cada vez mais no eleitorado que ainda não escolheu seu voto, ponto fraco do candidato do PSL. Segundo o Datafolha, 43% das mulheres não votariam 'de jeito nenhum' em Bolsonaro

“Só uma pessoa que não sabe o que é ganhar um salário menor do que um homem tendo as mesmas capacidades, as mesmas competências, e ser a primeira a ser demitida é quem sabe”, afirmou ela. Marina citou também a cena em que o candidato foi fotografado ensinando uma criança a fazer o gesto de arma.

Mas em pesquisa recente divulgada pelo Ibope, parece que a estratégia de Marina não gerou efeitos nas intenções de voto. Apesar do alto nível de rejeição, mesmo entre as mulheres Bolsonaro ainda está em primeiro: 16% das eleitoras pretendem votar nele. Marina vem em segundo lugar: 14% do eleitorado feminino declarou seu voto à ela. Ainda segundo a pesquisa, a taxa de indecisos caiu para 7%, mas o Ibope não divulgou o recorte de gênero dessa porcentagem. 

Com o início da propaganda eleitoral na televisão, na semana passada, foi a vez de Alckmin tentar disputar o eleitorado feminino que ainda não se decidiu. Dono do maior tempo de campanha eleitoral na televisão, Alckmin veiculou uma propaganda com cenas em que Bolsonaro ofende e xinga uma jornalista e a deputada Maria do Rosário. “Você gostaria de ser tratada desse jeito?”, indaga a propaganda às eleitoras.

CartaCapital analisou as propostas referentes à população feminina nos planos e diretrizes de governo divulgados no site DivulgaCandContas, do TSE. Dos 13 presidenciáveis, 4 mal chegaram a citar o termo “mulher” em seus planos de governo e apenas 5 apresentam propostas concretas em relação a elas. 

Os assuntos mais polêmicos - e também mais caros às mulheres - não estão em grande parte dos textos dos candidatos mais cotados nas últimas pesquisas para vencer as eleições. O aborto, por exemplo, não não consta nos programas de governo de nenhum dos 5 primeiros colocados na última pesquisa do Datafolha. Já o feminicídio só aparece em 2 deles.

O que dizem os programas de governo?

Os candidatos Álvaro Dias (Podemos), Cabo Paciolo (Patriota), José Maria Eymael (DC) e João Amoêdo (Novo) não citam a palavra “mulher” em seus planos de governo.

Desses, a referência mais próxima às mulheres é feita pelo candidato Cabo Daciolo. Ele cita o aborto, mas para afirmar sua posição contrária. “Não é possível conceber que a família em seus moldes naturais seja destruída, que a ideologia de gênero e a tese de legalização do aborto sejam disseminadas em nossa sociedade como algo normal”, afirma.

Jair Bolsonaro (PSL), que tanto se refere às mulheres em entrevistas e debates, com atitudes misóginas e machistas, e que tem no eleitorado feminino a maior taxa de rejeição, só cita a palavra “mulher” uma vez em seu plano de governo, ao falar sobre estupro.

Ele, que já negou mais de uma vez a existência da cultura do estupro e de casos que se enquadram como crime de feminicídio, propõe como meta ao combate ao estupro. Desconhecedor das origens desse problema, ele propõe como formas de impedir a violência sexual, entre outras, “prender e deixar preso” e “reformular o Estatuto do Desarmamento”. O candidato também faz uma alusão às mulheres em outra passagem do texto, em que ele cita como objetivo “a saúde bucal e o bem estar da gestante”.

Já os candidatos Geraldo Alckmin (PSDB) e Henrique Meirelles (MDB) usam a palavra “mulher” em ambos os textos apenas duas vezes. Alckmin fala de um “pacto estadual de diminuição da violência contra a mulher”, em um programa de governo enxuto e genérico, de apenas nove páginas. Meirelles cita, como meta, o incentivo à redução da diferença salarial entre homens e mulheres.

Vera Lúcia (PSTU) e Guilherme Boulos (PSOL) são os únicos candidatos com programas de governo que defendem abertamente o aborto livre, público e gratuito. A candidata do PSTU também defende o combate a todo tipo de violência à mulher e mecanismos de igualdade de direitos e salários, mas não explica como atingir esses objetivos, em um curto programa.

Já o programa de Boulos é o que mais cita a palavra “mulher”: 125 vezes. Mas é também o programa mais longo, com 228 páginas. Boulos, que tem como vice uma líder indígena, Sônia Guajajara, é um dos programas que mais trata a mulher de forma interseccional. O texto fala de minorias como indígenas, negras e mulheres LGBTI+.

Ele apresenta 23 propostas centrais em relação às mulheres e esmiúça cada uma delas. Entre elas estão medidas para a redução da desigualdade no mundo do trabalho, a universalização do acesso a creches, implantação da Política de Atenção Integral à Saúde da Mulher (PAISM) e de projetos de atenção à saúde mental das mulheres, desenvolvimento de programas de educação e prevenção sexual, efetivação da Política Nacional de Saúde da População Negra. 

Com relação à violência, o plano defende a criação de “Pacto Nacional contra a Violência e pela Vida das Mulheres”, com diversas medidas para o combate à violência, a tipificação do feminicídio de travestis e transsexuais, um programa feminista de formação para profissionais dos serviços públicos, a discussão de gênero nas escolas e a criação de espaços para atendimento e acolhimento de mulheres egressas do sistema prisional.

Diferente de todos os outros programas de governo, o texto da chapa de Boulos inclui travestis e transsexuais nas propostas às mulheres. O texto defende para essa população políticas de formação e emprego, tratamento profissional adequado e respeitoso no serviço de saúde e atendimento público humanizado para pessoas desse grupo que se encontrem em situação de vulnerabilidade.

A candidata Marina Silva (PV), em suas diretrizes de governo, defende a ampliação de políticas de prevenção da violência, a qualificação do atendimento às vítimas e o combate ao feminicídio.

Marina também propõe políticas para enfrentar a discriminação no mercado de trabalho, como a igualdade salarial, a ampliação da participação de mulheres em posições de tomadas de decisões, o estímulo ao empreendedorismo, a ampliação de vagas em creches em período integral e do tempo de licença-paternidade. 

Segundo o texto, seu governo pretende promover “ações de saúde integral das mulheres”, por meio dos tratamentos preventivos, estímulo ao parto humanizado e atendimento à gravidez na adolescência, com uma “política integrada das áreas de educação e saúde”.

A presidenciável não cita a questão do aborto no texto. Mas, em recente sabatina, ela reafirmou ser contra, mas afirmou que, caso seja eleita, há a possibilidade de um plebiscito sobre o tema.

Leia também:
Com a chapa impugnada, o programa lançado por Lula (PT) deverá valer para a dupla Fernando Haddad (PT) - hoje candidato à vice - e Manuela D’Ávila (PCdB), que deverá ocupar a vaga de vice na nova chapa.

O texto fala da promoção de “políticas para as mulheres visando a igualdade de gênero” e da “adoção de uma perspectiva inclusiva, não-sexista e sem discriminação na educação e demais políticas públicas”. O plano de governo também dá atenção à interseccionalidade, incluindo mulheres negras, LGBTI+, indígenas, etc. 

O texto também coloca como diretrizes a ampliação do valor e do tempo do seguro-desemprego para as gestantes, a atenção aos direitos sexuais e reprodutivos, com foco na saúde sexual. Na temática violência, fala-se da integração e ampliação dos serviços e medidas preventivas de proteção e de atenção, como a Casa da Mulher Brasileira e Lei Maria da Penha, e as promovidas pelo enfrentamento ao feminicídio.

Entre as metas divulgadas estão a paridade de gênero na política, a recriação da pasta de Políticas para as Mulheres com status de ministério, a isonomia salarial, o estímulo à produção das mulheres na ciência e na tecnologia, políticas afirmativas para mulheres no campo da cultura, ampliação de vagas em creches e titularidade prioritária às mulheres nos lotes dos assentamentos nos programas de reforma agrária, meta que também aparece no plano de João Goulart Filho (PPL).

O programa do PPL também tem como objetivos erradicar a superexploração do trabalho da mulher, o “pagamento de salário igual para trabalho igual”, a ampliação da licença maternidade e das vagas em tempo integral nas creches e a criação de dispositivos para a redução da carga de trabalho que recai sobre as mulheres. Goulart também cita o aborto e coloca como meta sua descriminalização. Propõe também a ampliação do acesso a meios anticoncepcionais e o combate à violência contra a mulher. 

Entre as medidas presentes no programa de Ciro Gomes (PDT) estão igualar o número de homens e mulheres nas posições de comando na política, atuar junto aos órgãos competentes para garantir a segurança das candidatas e eleitas, recriar a Secretaria de Mulheres, garantir acesso igual das mulheres ao mercado de trabalho, na seguridade social, aumentar o número de vagas disponíveis em creches e ampliar o acesso das mulheres à educação.

O texto também cita a criação de programas que ajudem a proteger as trabalhadoras informais, a igualdade de salários de homens e mulheres quando na mesma função e a proibição de práticas discriminatórias por empregadores.

Em relação à saúde, o texto propõe ações de prevenção em relação à saúde sexual e reprodutiva, a garantia de recursos para a interrupção da gravidez apenas quando ocorrer de forma legal e combate à violência obstétrica, com humanização do parto. 

Com relação à violência, o programa tem como diretrizes aplicação das leis já vigentes, políticas públicas de proteção e apoio, e enfrentamento das violências cometidas contra as mulheres encarceradas.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Gabarito preliminar das provas do Concurso Público da Prefeitura de Santa Cruz do Capibaribe

Carreata da Frente Popular lota as ruas de Santa Cruz do Capibaribe em apoio à campanha de Paulo Câmara