Durante debate, Armando garante: “O crime não terá vida fácil”


Determinado a resgatar a autoridade que o Estado perdeu nos últimos anos no combate à violência, o candidato a governador Armando Monteiro defendeu propostas e destacou a necessidade de unir as pessoas em torno da reconstrução do Estado, que nos últimos anos perdeu competitividade e enfrentou indicadores alarmantes de violência e desemprego.

“Os bandidos não terão mais vida fácil, como têm hoje. Vamos recuperar a autoridade do governo nas ruas, levar paz e tranquilidade para a população”, comentou, acrescentando: “O governo perdeu a autoridade, se fechou no Palácio e deixou que a criminalidade assumisse as ruas, estradas e até as áreas rurais”, argumentou, após o primeiro confronto entre candidatos, promovido pela Rádio Jornal, no Recife, nesta terça-feira (28).

Armando afirmou que o governo precisa apresentar resultados e não apenas ficar se lastimando pela crise. Além de Armando, participaram Paulo Câmara (PSB), Dani Portela (PSOL) e Maurício Rands (PROS). O debate começou sobre Educação. “Precisamos olhar o Estado como um todo e não apenas para um indicador. Pernambuco apresenta números constrangedores: temos um milhão de analfabetos e mais de 100 mil crianças fora da escola”, disse Armando.

Armando dirigiu pergunta para a candidata do PSOL Dani Portela, ressaltando a questão da violência contra as mulheres. A candidata concordou com Armando, afirmando que é fundamental investir em prevenção e combate ao crime, dizendo que Pernambuco é um território perigoso para as mulheres. “As delegacias aqui funcionam em horário comercial, como se o crime tivesse hora para acontecer”, ponderou.

Por outro lado, Paulo Câmara, questionado sobre a promessa não cumprida de construir o hospital de Serra Talhada, voltou a tentar transferir a culpa para o Governo Federal. Paulo, em 2014, prometeu construir 4 hospitais no interior do Estado e em 3 anos e oito meses de gestão não conseguiu entregar nenhum.

No terceiro bloco, Armando questionou Paulo Câmara sobre o fato de o adversário, há apenas três semanas, ter afirmado “estar arrependido” de ter trabalhado pelo impeachment de Dilma Roussef. “Você também se arrepende de ter votado em Aécio e ter impedido Marília Arraes de ser candidata e estar aqui conosco hoje?”, indagou Armando. Em resposta, Paulo admitiu que o PSB ajudou a levar Michel Temer à presidência porque atuou a favor do impeachment e apoiou Aécio Neves em 2014. Armando foi mais uma vez firme em seu posicionamento: “Eu sou leal, não mudo de opinião ao sabor do vento. Estou e sempre estive ao lado do presidente Lula”, disse, lembrando que votou contra o impeachment no Senado.

Nas considerações finais, Armando defendeu o debate honesto nesta campanha e deixou uma mensagem de esperança no futuro. “Não vamos falsear, mentir e fazer falsas promessas. O que tem faltado a Pernambuco é governo. Uma gestão que restaure a autoridade e tenha um olhar voltado para o micro e pequeno empresário, que gera emprego. Há um novo caminho que iremos seguir, para que a gente volte a crescer”.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Gabarito preliminar das provas do Concurso Público da Prefeitura de Santa Cruz do Capibaribe

Carreata da Frente Popular lota as ruas de Santa Cruz do Capibaribe em apoio à campanha de Paulo Câmara