Governo Paulo Câmara pede a liberação de R$ 68,2 milhões para a Adutora do Agreste

Stanley Rodrigues, Roberto Tavares e Antônio de Pádua

O presidente da Companhia Pernambucana de Saneamento- Compesa, Roberto Tavares, apresentou nesta quarta-feira (14), em Brasilia, pleito do governador Paulo Câmara junto ao Ministério da Integração Nacional para a liberação de R$ 68,2 milhões para a conclusão da primeira etapa útil da Adutora do Agreste. Na reunião entre o representante do Governo de Pernambuco e o Secretário Nacional de Infraestrutura Hídrica, Antônio de Pádua, e do diretor de Obras Hídricas, do MI, Stanley Rodrigues, o presidente da Compesa fez um balanço sobre ao andamento da Adutora do Agreste e mostrou que a obra está em ritmo acelerado e não pode ter descontinuidade, pois a ansiedade dos municípios do Agreste é grande e é justa.

Desde o início da obra da Adutora do Agreste, em 2013, até dezembro de 2017, o governo federal repassou R$ 804 milhões do total conveniado, de R$ 1,246 bilhão. Com os últimos repasses, realizados em dezembro do ano passado, a Compesa garantiu o pagamento de faturas em atraso e ganhou fôlego para tocar 26 frentes de trabalho. “Se forem liberados os R$ 68,2 milhões, além de concluir a obra de integração da Adutora do Moxotó com a Adutora do Agreste, iremos abrir outras frentes como a que vai para Águas Belas e Iati, e a que vai para São Bento do Una e Lajedo”, afirma o presidente Roberto Tavares. Ele adianta que a antecipação da primeira etapa útil da Adutora do Agreste irá atender 10 cidades, partindo da cidade de Arcoverde, no Sertão, até São Caetano, no Agreste, beneficiando mais de 400 mil pessoas já nesse primeiro semestre de 2018.

Comentários

POSTAGENS MAIS ACESSADAS

Gabarito preliminar das provas do Concurso Público da Prefeitura de Santa Cruz do Capibaribe

Obras da PE-160 seguem em ritmo acelerado

CARLINHOS DA COHAB: "Sou um soldado do grupo e pronto para defender a candidatura de Zé e pedir voto pra ele"

Corpo de Guilherme Uchoa é velado na Assembleia Legislativa de PE

MORO DESOBEDECE TRF-4 E NÃO SOLTA LULA