TRANSPOSIÇÃO FOI UM COMPROMISSO DE FÉ, DIZ LULA


Ex-presidente comemorou o fim do racionamento que durava mais de dois anos, e disse que os governos anteriores não combatiam a falta d'água no Nordeste, pois só conheciam a seca pelos jornais; leia reportagem da Rede Brasil Atual


A caravana Lula pelo Brasil chegou neste domingo à Campina Grande, na Paraíba, para o evento com o tema “Água e Democracia”, que reuniu milhares de pessoas e lideranças políticas para saudar o fim racionamento de água que atingia cerca de 700 mil pessoas, em 19 cidades da região, desde dezembro de 2014, e que só foi possível graças às obras da transposição do Rio São Francisco, que garantiram segurança hídrica para a região. 

A decisão da suspensão do racionamento chegou a ser questionada na Justiça, em liminar que foi derrubada. O governador Ricardo Coutinho (PSB) atribuiu a ação às "hienas da política" e disse que a suspensão do racionamento atendeu a critérios técnicos. "Acham que podem simplesmente privar o povo da água, porque para eles não tem racionamento, porque têm caixa d'água de 20 mil litros."

"Como é que pode alguém entrar com um processo para evitar que o governador acabe com o racionamento?", questionou o ex-presidente, que ressaltou os esforços realizados no combate à seca, no Nordeste, durante o seu governo e da presidenta Dilma Rousseff. Segundo ele, no início do seu mandato, a transposição era "quase um compromisso de fé", porque alegavam que o projeto, que vinha desde os tempos de D. Pedro II, era impossível.

"Aprendi que a única coisa impossível é Deus pecar. O resto a gente pode tudo", afirmou Lula, que disse não haver comparação entre os cerca de R$ 9 bilhões investidos na transposição, que pôs fim "a um sofrimento de cinco séculos", com os R$ 14 bilhões liberados por Temer aos deputados para barrarem a denúncia contra ele, na Câmara dos Deputados. 

Segundo o ex-presidente, o esforço efetivo para levar água ao semi-árido nordestino não havia sido feito antes, porque os governantes anteriores "só conheciam a seca pelos jornais e pela televisão". "A seca era um dado estatístico, que não causava sensibilidade", disse Lula, lembrando dos tempos em que chegou a carregar latas d'água na cabeça, quando era criança, em Pernambuco. 

Além das obras da transposição, Lula citou também a construção de 1 milhão e 400 mil cisternas construídas na região do semi-árido. O governador Coutinho lembrou da época em que não havia, segundo ele, uma única cisterna. "O desânimo era total, as pessoas não existiam para o poder público." Ambos lembraram do "dia histórico", quando as águas do Velho Chico chegaram à cidade de Monteiro, em março, na inauguração popular da transposição.

Agora, com o "compartilhamento e democratização" das águas do São Francisco, o governador diz que percebe o ressurgimento do sentimento de generosidade, que deve guiar a política. "Hoje, percebo o sentimento de generosidade quando vejo o agricultor plantando às margens do Rio Paraíba."

Aos 79 anos, o aposentado Victor Serafim disse que foi ao evento para ver Lula, segundo ele, o melhor presidente que o Brasil já teve. "Vim aqui para ver o meu presidente. Não quero golpista. Meu pai votava em Getúlio, voto em Lula, porque ele fala a minha língua."

O ex-ministro das Relações Exteriores Celso Amorim, que também participa da caravana, também destacou o carinho da população com Lula. "Eu, que acompanhei o presidente Lula pelo mundo afora, estou vendo agora o que ele fez pelo Brasil e o carinho que o povo brasileiro tem, e como ele consegue redespertar a esperança", afirmou Amorim. O deputado federal Vicentinho (PT-SP) contou que, no caminho entre João Pessoa e Campina Grande, a caravana teve que parar para o povo poder abraçar o ex-presidente.

Lula voltou a criticar o governo Temer. "É preciso que a gente saia às ruas, que a gente comece a defender o nosso país, porque essa gente que está lá não está apenas destruindo uma ou outra política pública que nós fizemos, eles estão tentando vender o nosso país." 

Ele ressaltou conquistas econômicas dos 12 anos do governo do PT, com a criação de 22 milhões de empregos formais e a valorização de 74% no salário mínimo. "Agora eu vejo esse bando de jagunços querendo acabar com a aposentadoria rural do trabalhador, jogando a culpa no pequeno".

Para o ex-presidente, o momento do Brasil é "delicado" e, assim como a seca, a fome, outro problema que havia sido erradicado, volta a ser uma ameaça. "A gente tinha acabado com a fome. A ONU reconheceu que a fome havia sido extinta no Brasil. Agora, estamos voltando para o mapa da fome. Está crescendo o número de pessoas desempregadas, de pessoas dormindo na rua, de pessoas pedindo esmola nos faróis."

Com 97% de rejeição, Temer poderia "aliviar o país" e sair da presidência, segundo Lula. "Ele podia aliviar o país, pedir desculpas pela bobagem que fez e devolver o mandato da Dilma", afirmou.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Gabarito preliminar das provas do Concurso Público da Prefeitura de Santa Cruz do Capibaribe

Carreata da Frente Popular lota as ruas de Santa Cruz do Capibaribe em apoio à campanha de Paulo Câmara