JANOT FARÁ SUPERDENÚNCIA CONTRA TEMER ANTES DE DEIXAR A PGR


Ao invés de oferecer duas novas denúncias contra Michel Temer, como havia cogitado anteriormente, Rodrigo Janot está se encaminhando para juntar os dois casos e apresentar uma mega denúncia contra o peemedebista; investigadores trabalham durante o recesso do Judiciário com a meta de finalizar a nova acusação formal antes do fim de setembro, quando Janot deixa o cargo de procurador-geral da República; Janot quer reforçar a narrativa da acusação contra Temer, explorando duas vertentes: uma na qual aponta o envolvimento de Temer com o grupo político do PMDB da Câmara, suspeito de praticar desvios na Petrobrás e na Caixa Econômica Federal; e outra com a ligação de Temer com a tentativa do empresário Joesley Batista de barrar os acordos de delação premiada do deputado cassado Eduardo Cunha (PMDB-RJ) e do corretor Lúcio Funaro; procuradores apontam conexão entre os crimes de organização criminosa e obstrução da Justiça

247 - O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, avalia juntar os crimes de obstrução de Justiça e organização criminosa em uma única denúncia contra Michel Temer, que deve ser apresentada antes de setembro, quando Janot deixa o cargo.

Temer foi denunciado ao Supremo Tribunal Federal há cerca de um mês por corrupção passiva com base na delação do Grupo J&F. A acusação foi remetida pelo ministro Edson Fachin, relator da Lava Jato no Supremo, à Câmara, que precisa autorizar o prosseguimento da denúncia. A votação em plenário está marcada para o próximo dia 2, após a volta do recesso do Congresso.

Na época, a PGR avaliou o oferecimento de mais duas denúncias contra Temer, mas agora trabalha com a possibilidade de oferecer somente uma reunindo os dois crimes.

O objetivo é reforçar a narrativa da acusação contra Temer, explorando duas vertentes: uma na qual aponta o envolvimento de Temer com o grupo político do PMDB da Câmara, suspeito de praticar desvios na Petrobrás e na Caixa Econômica Federal; e outra que trata de eventual ligação de Temer com a suposta tentativa do empresário Joesley Batista de barrar os acordos de delação premiada do deputado cassado Eduardo Cunha (PMDB-RJ) e do corretor Lúcio Funaro. Procuradores apontam conexão entre os crimes de organização criminosa e obstrução da Justiça.

O oferecimento de nova denúncia até setembro depende do encerramento do inquérito que investiga o PMDB da Câmara pelo crime de quadrilha. Desmembrada do inquérito original do “quadrilhão” que tramita no STF e investiga a atuação do PT, PMDB e PP na Petrobrás, a apuração contra os peemedebistas da Câmara mira na atuação desses políticos na indicação de aliados para postos importantes na Petrobrás e na Caixa. São investigados também políticos suspeitos de “vender” requerimentos e emendas parlamentares para beneficiar empreiteiras e banqueiros.

As informações são de reportagem de Fábio Serapião no Estado de S.Paulo.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Carreata da Frente Popular lota as ruas de Santa Cruz do Capibaribe em apoio à campanha de Paulo Câmara