Governadores buscam saída, mas crises de Bolsonaro incomodam até aliados

Por Íris Costa e Edson Sardinha
Congresso em Foco
Paulo H. Carvalho/Ag. Brasília
Ibaneis Rocha, aliado de Bolsonaro, diz que presidente se alimenta de crises

A relação entre o Executivo e o Judiciário, que já andava estremecida, azedou de vez após decisão do presidente Jair Bolsonaro de encaminhar ao Senado pedido de impeachment contra o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Alexandre de Moraes. Na tentativa de evitar mais desgastes causados pela crise entre os Poderes, o Fórum Nacional de Governadores adiantou para esta segunda-feira (23), às 10h, reunião que vai discutir formas de acalmar os ânimos entre o chefe do Executivo e os ministros do STF. Mas o ceticismo entre os participantes é grande e alcança até mesmo aliados do presidente da República.

De acordo com o governador do Piauí, Wellington Dias (PT), o Fórum já estava organizando agenda para tratar sobre a proposta da reforma tributária e o projeto Governadores Pelo Clima, mas decidiu antecipar a reunião "pela conjuntura sobre a crise entre os Poderes, que afeta os investimentos e piora a situação do Brasil".

"Vamos tratar sobre como podemos, de forma suprapartidária, independente de quem é governo ou oposição, contribuir para pacificação", defendeu o petista, um dos coordenadores do fórum de governadores, em entrevista ao Congresso em Foco. Para Dias, o caminho para a solução é o "diálogo amplo com os presidentes e líderes da Câmara e do Senado, o presidente e ministros do STF".

O aprofundamento da crise cria desconfiança mesmo entre governadores aliados de Bolsonaro, como Ibaneis Rocha (MDB-DF), que admite não acreditar na possibilidade de os governadores ajudarem no enfrentamento da crise institucional. “Não vejo como. O presidente se alimenta da crise”, afirmou o emedebista ao Congresso em Foco. “Sou defensor do diálogo. Essas crises mostram um desencontro da política”, acrescentou.

Até o momento, 25 governadores confirmaram presença. Anfitrião do encontro, Ibaneis vai receber, além de Wellington Dias, o governador de Rondônia, Marcos Rocha, aliado de Bolsonaro. Os demais participarão de maneira remota. Apenas os governadores do Paraná, Ratinho Júnior, e do Tocantins, Mauro Carlesse, não confirmaram presença no encontro até o momento. Os dois também são próximos a Bolsonaro.

Wellington Dias também destaca outra preocupação que norteará o encontro dos governadores: o rumo da reforma tributária, que, segundo ele, está sendo “esquartejada” pelo governo federal. “E ainda com risco grave de desequilíbrio da Federação, especialmente estados e municípios, o que pode piorar ainda mais a situação do país”, afirma o governador do Piauí. “O caminho é dialogar, pois há risco real da situação piorar ainda mais, é isto que se deseja? Representamos o povo do nossos Estados e nos sentimos na obrigação de contribuir para pacificação.”

Para o governador, todos perdem com a crise. “O ambiente atual afasta investidores e paralisa o país ainda mais. Consequência? Mais desemprego e crise social. Sabemos a importância da defesa da democracia, do valor que tem o respeito à Constituição e às instituições brasileiras. Ruim com elas? Pior sem elas", observa Wellington Dias.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Em novo caso de nudez, corredora sai pelada em Porto Alegre

Em 2020, Governo Bolsonaro gastou R$ 15 milhões em leite condensado