Bolsonaro anuncia auxílio emergencial de R$ 300 até dezembro

Presidente fez o anúncio nesta terça-feira no o Palácio da Alvorada após participar de café da manhã com parlamentares e integrantes do governo

Marcos Rogério Lopes, do R7

Auxílio emergencial é prorrogado até o fim do ano
Marcelo Camargo/Agência Brasil

O presidente Jair Bolsonaro anunciou a prorrogação do auxílio emergencial até dezembro, com parcelas de R$ 300. Mais de 65 milhões de brasileiros recebem o benefício durante a pandemia do novo coronavírus.


"Seiscentos é muito para quem paga, no caso o Brasil. E podemos dizer que não é um valor suficiente para todas as necessidades, mas, basicamente, atende. Então, até atendendo à economia, em cima da responsabilidade fiscal, fixar em R$ 300", disse Bolsonaro em entrevista coletiva no Palácio da Alvorada. 

Após cinco depósitos de R$ 600 de abril a agosto, ocorrerão mais quatro pagamentos com a metade do valor.

Veja também:
O ministro da Economia, Paulo Guedes, disse que o governo decidiu não deixar ninguém para trás e que a solução encontrada foi a melhor possível.

Bolsonaro fez o anúncio após participar de café da manhã com parlamentares e integrantes do governo.

O governo reduziu o valor do pagamento para amenizar o impacto no caixa da União. As cinco primeiras parcelas custaram cerca de R$ 50 bilhões mensais.

A iniciativa de conversar com os congressistas antes de finalizar a proposta é mais um gesto de aproximação do presidente em relação ao Legislativo.

Reforma administrativa

Antes de anunciar a mudança no auxílio emergencial, Bolsonaro afirmou que encaminhará na quinta-feira a reforma administrativa. "Que fique bem claro: não afetará os atuais servidores, atingirá apenas os futuros servidores concursados."

Guedes afirmou que a reforma é importante por redefinir a trajetória do serviço público no futuro.

"Com qualidade, com meritocracia, concursos exigentes, promoções por mérito. É importante que estamos com os olhos não só na população brasileira em curto prazo, mas pensando no futuro do Brasil e implementando as reformas", comentou o ministro da Economia.

Na saída do encontro, o deputador federal Ricardo Barros (PP-PR), líder do governo na Câmara, afirmou que o Congresso logo analisará também a reforma administrativa e comemorou o acordo definido nesta manhã. "Essa é a nova maneira de nós fazermos articulação política, vamos acordar com os líderes primeiro e anunciar depois."

Após a discussão da reforma, disse o líder do MDB na Câmara, Fernando Bezerra (PE), deverá entrar em pauta no Congresso a discussão sobre o Renda Brasil, novo programa assistencial do governo federal.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Em novo caso de nudez, corredora sai pelada em Porto Alegre

Filho deve substituir Aragão candidato em Santa Cruz