'Injustificável e precipitado', diz nota de Alckmin sobre indiciamento da PF

O indiciamento de Alckmin ocorre no inquérito que investiga doações eleitorais da empreiteira Odebrecht

Por iG Último Segundo

Marcelo Chello/CJPress/Agência O Globo
Geraldo Alckmin foi acusado pela PF de lavagem de dinheiro

O ex-governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, do PSDB, foi indiciado pela Polícia Federal (PF), na tarde desta quinta-feira (16) por Caixa 2, lavagem de dinheiro e corrupção passiva. Além dele, o ex-tesoureiro de campanha do PSDB Marcos Monteiro também foi indiciado pela PF. 

Leia também
A reportagem do iG entrou em contato com a equipe de Alckmin para saber o que o governador pensa sobre a ação da Polícia Federal que recai sobre ele. 

O Governador alega que não teve a oportunidade de ser ouvido pelos supostos crimes e que isso "feriu um dos princípios basilares do Estado democrático de direito: o direito do contraditório e da ampla defesa".

Veja, na sequência, a íntegra da nota enviada pela equipe de Geraldo Alckmin:

Injustificável e precipitado o indiciamento do ex-governador Geraldo Alckmin, que, sobretudo, feriu um dos princípios basilares do Estado democrático de direito: o direito do contraditório e da ampla defesa.

A ele foram negados o prévio conhecimento dos fatos que teriam ensejado a instauração do inquérito, além do direito fundamental de se defender, assegurado pela Constituição a todo cidadão brasileiro. O ex-governador sequer foi chamado a prestar esclarecimentos que poderiam ter evitado o seu indevido e imerecido indiciamento.

Por meio desta nota, além de expressar a sua indignação e reiterar o seu compromisso com os princípios de seriedade, transparência, probidade e modéstia pessoal com que sempre procurou atuar na vida pública, confirma a sua confiança na verdade, que haverá de prevalecer.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Em novo caso de nudez, corredora sai pelada em Porto Alegre

Filho deve substituir Aragão candidato em Santa Cruz