Novo ministro da Educação: Saiba quem é o professor Carlos Alberto Decotelli

Novo ministro da Educação, Decotelli, é considerado um nome técnico, diferente de seu antecessor, que era da ala ideológica do governo

Por iG Último Segundo

Luís Fortes/MEC
Decotteli é o primeiro negro nomeado ministro por Bolsonaro

O professor Carlos Alberto Decotelli foi nomeado o novo ministro da Educação nesta quinta-feira (25) pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido). O substituto de Abraham Weintraub é o primeiro ministro negro do governo Bolsonaro.

Leia também:

O novo ministro da Educação já havia ocupado um cargo dentro da pasta, tendo sido o presidente do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE) e secretário de Modalidades Especializadas de Educação (Semesp), em 2019.

Decotelli é considerado um nome técnico, diferente de seu antecessor, que era da ala ideológica do governo. Sua nomeação foi aprovada pelos militares que integram a equipe de Bolsonaro, segundo a emissora Globo . Em entrevista ao jornal O Globo nesta quinta, afirmou que "não tenho nem preparação para fazer discussão ideológica, minha função é técnica".

Ele é o terceiro ministro da Educação de Bolsonaro - e é a primeira nomeação de um negro para o 1º escalão do governo. Antes dele, Vélez Rodriguez e Abraham Weintraub ocuparam o comando da pasta. Especialistas acreditam que a escolha de Decotelli possa apaziguar a relação entre os Poderes.

Reprodução/Twitter
Decotelli é o terceiro ministro da Educação do governo Bolsonaro

Com 68 anos, ele tem pós-doutorado na universidade alemã Bergische Universitãt Wuppertal, doutorado em Administração Financeira pela argentina Universidade Nacional de Rosário, tem MBA e mestrado em administração pela Fundação Getúlio Vargas (FGV) e bacharel em Ciências Econômicas pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj), segundo informações do MEC.

Decotteli é professor de economia na PUC-RS. Segundo o site da universidade, ele foi coordenador acadêmico da FORDHAM University e no NYIF, ambas em New York e foi executivo de bancos e corretoras.

É também autor de livros sobre educação e finanças, como “Matemática Financeira Aplicada”, “Gestão de Riscos no Agronegócio”, “Administração Bancária - uma visão aplicada” e “Gestão de Finanças Internacionais”. 

Ele afirma que suas prioridades dentro do MEC serão "ampliar o diálogo e interlocução para que haja divulgação correta em relação às políticas do MEC; atualizar o cronograma dos compromissos que estão estabelecidos; as ponderações em relação ao novo Fundeb; as políticas envolvendo a Covid-19 e a parte de biossegurança".

O novo ministro da Educação integrou a equipe de transição entre o governo Temer e o de Bolsonaro. Durante sua gestão do FNDE, o órgão desembolsou cerca de 70 mil, segundo dados do Portal da Transparência, e ele esteve viajando durante 23% do tempo em que ocupou o órgão. Até setembro de 2019, enquanto presidia a pasta, nenhuma das 22 licitações do MEC saíram do papel.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Em novo caso de nudez, corredora sai pelada em Porto Alegre

Em 2020, Governo Bolsonaro gastou R$ 15 milhões em leite condensado