MP pede auditoria na empresa da ex-mulher de Frederick Wassef

A suspeita é de tráfico de influência com o Executivo, 
segundo consta no documento

LC Luiz Calcagno
Correio Braziliense

(foto: Sergio Lima / AFP)

O Ministério Público de Contas emitiu uma representação pedindo ao TCU auditoria da empresa Globalweb Outsourcing, que tem Maria Cristina Boner Leo, ex-mulher do advogado Frederick Wassef, como sócia. A suspeita é de tráfico de influência com o Executivo, segundo consta no documento. Wassef é ex-advogado do senador Flávio Bolsonaro, e estava escondendo Fabrício Queiroz em uma propriedade e Atibaia há cerca de um ano. Ex-policial militar e amigo da família Bolsonaro, Queiroz é suspeito de comandar um esquema de desvio de dinheiro público no gabinete de Flávio, quando o filho do presidente da República era deputado distrital no Rio de Janeiro.

A suspeita de um suposto tráfico de influência ganhou força com o caso Queiroz. Ocorre que a Globalweb recebeu, R$ 41,6 milhões à frente do Ministério da Educação em pouco mais de um ano de gestão Bolsonaro. O repasse foi feito durante a gestão do ministro Abraham Weintraub, que deixou o Brasil usando o passaporte concedido pelo cargo após deixar a pasta. Anteriormente, porém, a empresa havia recebido cerca de R$ 42 milhões do Executivo por quatro anos de serviços prestados durante as gestões Dilma Rousseff (PT), e Michel Temer (MDB).

A representação, assinada pelo subprocurador geral do Ministério Público de Contas, Lucas Rocha Furtado, pede que o levantamento aponte, dentre outras coisas, “se houve atuação da Sra. Maria Cristina, com a intermediação do Sr. Frederick Wassef, em eventual direcionamento das contratações à Globalweb”. Furtado destaca que, atualmente, o empreendimento é chefiado pela filha de Maria Cristina, Bruna Boner Leo. “O volume de pagamentos à empresa teve aumento considerável durante a gestão Bolsonaro”, sustenta a peça.

Se ficar comprovado que houve tráfico de influência, Maria Cristina e a filha podem perder os contratos. Furtado aponta que a empresa tem, pelo menos outros 11 contratos com o governo federal, além do que deve ser auditado, no Ministério da Educação. Entre os órgãos que contratam a Globalweb estão a Agência Nacional de Aviação Civil (ANAC), o Findo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE), a Agência Nacional de Saúde Suplementar, o BNDES, dentre outros.

Ainda de acordo com o subprocurador geral do Ministério Público de Contas, a ex-mulher de Wassef não deveria estar contratando com o governo. “É de se observar que a Sra. Maria Cristina, por força de decisão prolatada, em 24/6/2019, no processo judicial 0004654-24.2011.8.07.0018 (...), que apurou o direcionamento de licitação para a contratação da empresa B2BR pela CODEPLAN, tendo a Sra Cristina figurado como sua representante —, foi proibida de contratar com o Poder Público ou receber benefícios creditícios pelo período de três anos”.

A decisão não atingiu a Globalweb pois o CPF da ex-mulher de Wassef não está, nos registros da empresa, no quadro de sócios. Para Furtado, seria um indício do comprometimento da própria empresa. “Nesse sentido, convém salientar que a Globalweb Outsourcing não integra a relação de empresas consideradas inidôneas para contratar com a Administração, seja no Sistema de Inabilitados e Inidôneos do TCU, seja no Portal da Transparência”, afirma. 

O valor repassado pelo governo à empresa foi divulgado após levantamento da reportagem do portal Uol. Por e-mail, a Globalweb se limitou a dizer que está à disposição das autoridades. “A Globalweb se colocou à disposição das autoridades para prestar os esclarecimentos necessários e aguarda ser procurada pelo órgão de controle para esclarecer eventuais dúvidas.”

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Em novo caso de nudez, corredora sai pelada em Porto Alegre

Em 2020, Governo Bolsonaro gastou R$ 15 milhões em leite condensado