É preciso mudar as regras da república, diz Weintraub

Ministro da Educação disse que é preciso impedir 'paraíso esquerdista' durante palestra neste sábado em congresso conservador virtual

Por Agência O Globo

Agência Brasil
Ministro da Educação fez declaração criticando a separação dos Três Poderes

Um dia após ter comparecido à Polícia Federal para prestar depoimento no inquérito que investiga ataques a ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) e ter permanecido calado, o ministro da Educação, Abraham Weintraub, ofereceu uma palestra na qual diz ser preciso "mudar as regras da Nova República". Ele definiu o regime político brasileiro como uma "estrutura montada pela esquerda, oligarcas e corruptos".

A declaração foi feita em uma exposição em vídeo disponibilizada para o congresso online do Movimento Brasil Conservador (MBC), que apoia o governo de Jair Bolsonaro. O evento está sendo realizado neste fim de semana e conta com palestras de vários investigados pela Polícia Federal no chamado inquérito das fake news.

— Criou-se uma estrutura para levar o Brasil para um paraíso esquerdista. E como a gente resolve isso? Indo atrás dos oligopólios e monopólios, tendo coragem para enfrentar a discussão ideológica e mudando as regras da Nova República, porque elas foram montadas por um sistema que sempre vai gerar a mesma coisa — declarou Weintraub.

Weintraub afirmou que a esquerda é "inimiga dos valores e da razão" e que "tem nojo do lucro", que definiu como "sagrado, fruto do trabalho". Sem dar maiores detalhes, também declaru que "esse pessoal do oligopólio está louco para criar o campeão nacional do Ensino Superior, já está tudo montado, falta só virar a chave".

Assim como seu irmão Arthur Weintraub, assessor especial da Presidência, que palestrou na sexta-feira, o ministro questionou a separação dos Três Poderes, sistema sob o qual funcionam as repúblicas democráticas em todo o mundo. Para ele, Judiciário, Legislativo e "burocratas do Executivo" não conseguem impedir a captura do Estado pela esquerda corrupta.

Arthur Weintraub, por sua vez, discorreu em sua palestra sobre a Revolução Francesa, criticou o filósofo iluminista Jean-Jacques Rousseau e afirmou que a separação entre os Três Poderes numa república democrática, o Executivo, o Judiciário e o Legislativo, "não funcionam na prática". Apesar da afirmação, não deu maiores explicações.

— Esses iluministas começam a criar essa ideia de separação de poderes, sistema de freios e contrapesos, que na teoria é muito bonito, mas na prática muitas vezes não tem funcionado. Então, "ah, os Três Poderes são harmônicos, equilibrados"... A gente tem exemplos de que isso não acontece tanto. E esse sistema de poderes harmônicos, essa teoria do Estado, de pacto social, vai fortalecendo demais o Estado. E o Estado vai criando tecnologias de controle das pessoas, e de imposto, e de paternalismo. Se você reparar, o Estado começa a te controlar e te exigir imposto — declarou o assessor da Presidência.


Weintraub contra o STF

A decisão do ministro do STF Alexandre de Moraes de determinar o depoimento do ministro da Educação foi tomada no inquérito que investiga, desde março de 2019, ataques ao Supremo e aos ministros. Segundo o ministro do Tribunal, há indícios de que Weintraub cometeu crimes de injúria e difamação, previstos no Código Penal, bem como quatro crimes previstos na Lei de Segurança Nacional, de 1983.

— Eu, por mim, botava esses vagabundos todos na cadeia. Começando no STF. E é isso que me choca — disse Weintraub na ocasião.

“A manifestação do Ministro da Educação revela-se gravíssima , pois, não só atinge a honorabilidade e constituiu ameaça ilegal à segurança dos Ministros do Supremo Tribunal Federal, como também reveste-se de claro intuito de lesar a independência do Poder Judiciário e a manutenção do Estado de Direito”, escreveu Moraes na decisão.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Em novo caso de nudez, corredora sai pelada em Porto Alegre

Em 2020, Governo Bolsonaro gastou R$ 15 milhões em leite condensado