Os ministérios na mira do corte e as perspectivas da Petrobrás

Do Estadão

O presidente da Petrobrás, Pedro Parente. Crédito: Wilton Junior/Estadão

Na tentativa de conter o rombo nas contas públicas, o governo deve anunciar até sexta-feira um corte de despesas de cerca de R$ 5 bilhões. Segundo fonte da equipe econômica, os Ministérios mais afetados pelo bloqueio serão Transportes, Integração e Cidades. Eles são responsáveis por programas importantes como, respectivamente, as concessões de rodovias, portos e aeroportos para a iniciativa privada, a obra de transposição do Rio São Francisco e o Minha Casa Minha Vida.

O governo deve revisar todas as despesas para 2017 e 2018 para traçar um plano emergencial a fim de cumprir a meta fiscal, que prevê um déficit máximo de R$ 139 bilhões. No acumulado dos 12 meses até junho, porém, o rombo já chega a R$ 182,8 bilhões.

O gasto com pessoal é um dos itens mais pesados do Orçamento federal e o governo está estudando adiar os reajustes aos servidores. O aumento salarial custaria R$ 22 bilhões a mais. Diante da perspectiva, os funcionários públicos já ameaçam paralisar atividades.

Ainda na Economia, a Petrobrás tenta se recuperar após as perdas com a Lava Jato e a queda dos preços do petróleo. Ao Estadão, o presidente da estatal, Pedro Parente, garante que a petroleira está no caminho certo para ser considerada saudável até o fim do ano que vem. Uma das principais metas é diminuir a dívida da companhia. Questionado se permaneceria no cargo com uma eventual saída do presidente Michel Temer, Parente sinaliza que sim, mas impõe condição.

Postagens mais visitadas deste blog

ZÉ ELIAS CONCEDE ENTREVISTA E FALA SOBRE O MOMENTO DIFÍCIL QUE ESTÁ PASSANDO

EDILSON TAVARES, UM OUTSIDER QUE DEU CERTO