Mantive relação institucional com empresas, diz ministro Bruno Araújo

Ministro é um dos alvos do ministro Edson Fachin e o inquérito envolve recebimento de R$ 600 mil

Inquérito contra Bruno Araújo envolve recebimento de R$ 600 mil
Foto: JC Imagem

Do JC

Um dos nove ministros do presidente Michel Temer (PMDB) citados na lista do ministro do STF, Edson Fachin, o ministro das Cidades, Bruno Araújo (PSDB), diz que solicitou doações de campanha dentro da legislação eleitoral. Sobre a citação na chamada “delação do fim do mundo”, Araújo disse que manteve relações institucionais com todas as empresas. O inquérito contra Bruno Araújo cita o recebimento de R$ 600 mil, valor não contabilizado e pago pelo setor de Operações Estruturadoras do Grupo Odebrecht.

“O sistema democrático vigente estabelecia a participação de instituições privadas por meio de doações”, disse, em nota.

As delações foram prestadas pelos colaboradores João Antônio Pacífico Ferreira, Benedicto Barbosa da Silva Júnior, Cláudio Melo Filho e Luiz Eduardo da Rocha Soares.

“De acordo com a legislação eleitoral, solicitei doações para diversas empresas, inclusive a Odebrecht, como já foi anteriormente noticiado. O sistema democrático vigente estabelecia a participação de instituições privadas por meio de doações. Mantive uma relação institucional com todas essas empresas”, afirmou o ministro. 

LEIA ÍNTEGRA DA NOTA

De acordo com a legislação eleitoral, solicitei doações para diversas empresas, inclusive a Odebrecht, como já foi anteriormente noticiado.

O sistema democrático vigente estabelecia a participação de instituições privadas por meio de doações. Mantive uma relação institucional com todas essas empresas.

Em todo o meu mandato, sempre atuei em prol de interesses coletivos. Atuei de acordo com a minha consciência.

Comentários

POSTAGENS MAIS ACESSADAS

SETE GOVERNADORES ENCARAM TEMER E DIZEM NÃO A PEDRO PARENTE

MENDONÇA FILHO VOLTA A SER ESCRACHADO: ‘XÔ, GOLPISTA’

O Estádio Arizão se "veste" para receber o São João da Moda 2018

ACUADO, TEMER CEDE AOS CAMINHONEIROS E DESFAZ POLÍTICA DE PARENTE, QUE PODE CAIR