Planalto teme desdobramentos de investigação e eventual delação de Milton Ribeiro ou de pastores

Interlocutores do presidente Jair Bolsonaro (PL) não escondem mais o temor com os desdobramentos da investigação do esquema de corrupção que ficou conhecido como “gabinete paralelo” no Ministério da Educação (MEC)

Por Gerson Camarotti
G1

A maior preocupação é que o novo depoimento do ex-ministro da Educação Milton Ribeiro comprometa o governo Bolsonaro ou, um cenário pior, que haja uma delação premiada do ex-ministro ou dos pastores Gilmar Santos e Arilton Moura.

Ribeiro e os pastores foram presos nesta quarta-feira (22). Eles são acusados de envolvimento em um esquema para liberação de verbas do MEC.

O escândalo estourou em março deste ano. Na ocasião, o Palácio do Planalto temia que Milton Ribeiro saísse atirando caso se sentisse abandonado. Tanto que à época foi costurada uma saída honrosa para a demissão de Ribeiro que recebeu uma declaração pública de Bolsonaro que colocaria a “cara no fogo” pelo então ministro.

'Eu boto a minha cara no fogo pelo Milton', disse Bolsonaro, no início de investigação

Mesmo assim, ainda em março, aliados do governo identificaram um tom de ameaça de Milton Ribeiro quando, em depoimento na sede Polícia Federal, em Brasília, ele confirmou que o presidente Jair Bolsonaro (PL) lhe pediu para receber os pastores Gilmar Santos e Arilton Moura, acusados por prefeitos de cobrarem propina para intermediar a liberação de verbas do MEC.

Na ocasião, a expectativa era que Ribeiro não confirmasse o conteúdo de um áudio revelado pelo jornal “Folha de S.Paulo”. Na gravação, ele afirmava numa reunião que, a pedido do presidente da República, repassava verbas para municípios indicados pelo pastor Gilmar.

Também em março, Milton Ribeiro escapou de prestar depoimento na Comissão de Educação, o que causou alívio ao Planalto. Mas o depoimento à Polícia Federal, na sequência, foi recebido por aliados de Bolsonaro como um aviso do ex-ministro de que não aceitaria ser abandonado.

Na noite desta quarta-feira (22), um dirigente de um partido do Centrão fez um resumo do impacto da prisão de Milton Ribeiro na base bolsonarista: o silêncio dos principais aliados do governo no Congresso Nacional foi um indicativo da gravidade do escândalo e do temor de seus desdobramentos.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

'Chocante é o apoio à tortura de quem furta chocolate', diz advogado que acompanha jovem chicoteado

Em novo caso de nudez, corredora sai pelada em Porto Alegre