Frente Parlamentar da Educação diz que o Enem teve a cara do Inep


A avaliação da Frente Parlamentar Mista da Educação, após a aplicação do Enem, é de que a prova teve a cara do Inep e não a cara do governo. Os parlamentares, representantes da sociedade civil e estudantis, servidores e professores que fizeram parte da Blitz do Enem afirmaram que, apesar do clima de insegurança pelo ataque sistemático aos servidores do Inep, órgão responsável pela prova, e à própria instituição, o primeiro dia do exame transcorreu com tranquilidade.

“Tivemos uma importante conquista, ter uma prova que representou muito bem o Inep. Nosso desafio é, agora, preservar a mobilização para defender o Inep como uma instituição do Estado brasileiro”, afirmou o deputado federal Danilo Cabral (PSB), um dos coordenadores da FPME. O parlamentar ressaltou que o acompanhamento regionalizado da prova prosseguirá no próximo documento, quando acontece a segunda etapa do Enem.

O deputado federal Professor Israel Batista (PV-DF), presidente da Frente Parlamentar, corroborou com o colega pernambucano. “A prova ter ocorrido sem problemas é uma vitória, mostra que os servidores resistiram à pressão e mantiveram o padrão da prova”, comentou.

A pedagoga Maria Inês Fini, ex-presidente do Inep, destacou que o que foi avaliado no Enem foi o que está referenciado na documentação do Enem. “Essa prova salvou o Enem. Não sei se ela é capaz de salvar o Inep”, disse. Ela lembrou a crise no órgão, com o pedido de exoneração de 37 servidores após denúncias de assédio moral, interferência política e vazamento de informações. “Foi uma vitória da sociedade, que recebeu uma prova clássica do Enem, que tem a cara do Inep”, afirmou Alexandre Santos, servidor do Inep.

No próximo domingo (28), a Blitz do Enem continuará. Para enviar denúncias, em caso de irregularidades, use o canal pela hashtag #EnemNaFrente nas redes sociais, pelo WhatsApp (61 98132-8640) ou e-mail contato@frentedaeducacao.com.br.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Em novo caso de nudez, corredora sai pelada em Porto Alegre

Em 2020, Governo Bolsonaro gastou R$ 15 milhões em leite condensado