Miranda diz que recebeu oferta de propina, em reunião com Barros, para não atrapalhar negócio da Covaxin


O deputado Luis Miranda (DEM-DF), em sessão de março de 2021
Pablo Valadares/Câmara dos Deputados

O deputado Luis Miranda (DEM-DF) contou que foi procurado por um conhecido lobista de Brasília para ajudar nas negociações para a compra da vacina indiana Covaxin. O lobista em questão é Silvio Assis, conhecido da Polícia Federal por envolvimento em esquemas de corrupção. Assis é tido como homem de confiança do líder do governo na Câmara, Ricardo Barros (PP-PR). Em duas reuniões com o lobista - em uma das quais Barros estava presente -, houve oferta de propina para que o deputado não criasse problemas para a compra do imunizante, revela reportagem da revista digital Crusoé.

Miranda conta que foi procurado por Assis após ter levado ao presidente Jair Bolsonaro documentos comprovando irregularidades na compra da Covaxin. Na ocasião, Bolsonaro teria dito "isso é coisa do Barros", referindo-se ao seu líder.

O deputado do DEM do Distrito Federal relata que teve dois encontros com Assis. O primeiro no dia 31 de março, 11 dias após ele ter levado seu irmão, o servidor do Ministério da Saúde Luis Ricardo Miranda, para fazer a denúncia a Bolsonaro.

Segundo Miranda, a proposta do lobista envolvia valores vultosos e garantia de reeleição. O encontro ocorreu numa mansão no Lago Sul. Já o segundo encontro ocorreu um mês depois e contou com a presença de Ricardo Barros, de acordo com o deputado brasiliense. Ele relatou que, nos dois encontros, a oferta era de dinheiro em troca do silêncio de seu irmão, Luis Ricardo, em relação às irregularidades e para que o servidor deixasse de barrar o contrato para aquisição da Covaxin.

Ainda conforme a reportagem, Assis se apresentou como representante da Precisa Medicamentos, intermediária do negócio com o Ministério da Saúde.
A reportagem de Patrick Camporez, da Crosué, afirma que Silvio Assis prometeu a Miranda participação sobre cada dose de vacina vendida pelo Ministério da Saúde, o que resultaria em cerca de US$ 1,2 milhão, algo em torno de R$ 6 milhões. Silvio Assis confirmou ter recebido Luis Miranda em três ocasiões, mas negou ter oferecido propina. O lobista também disse ser amigo há mais de dez anos de Ricardo Barros. O líder do governo não se pronunciou sobre o assunto. Miranda diz que só vai se manifestar sobre os dois episódios em depoimento à Polícia Federal caso seja chamado a dar explicações.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Em novo caso de nudez, corredora sai pelada em Porto Alegre

Em 2020, Governo Bolsonaro gastou R$ 15 milhões em leite condensado