Armando sobre Cadastro Positivo: “condição fundamental para a inclusão de 40 milhões de brasileiros no mercado de crédito”

Armando Monteiro

Em novo artigo, o ex-senador Armando Monteiro fala sobre o Cadastro Positivo, que teve avanços proporcionados a partir de parecer elaborado por ele e aprovado no Congresso Nacional.

 

Leia a íntegra!

 

Um Cadastro mais que Positivo 

 

Um dos desafios mais importantes na economia brasileira é ampliar o acesso ao crédito com taxas de juros alinhadas aos padrões internacionais. Nessa agenda, a adoção de um amplo cadastro positivo que reúna informações sobre o histórico de adimplência de consumidores e empresas é fundamental.

 

Até 2019, a adesão a esse cadastro era voluntária, com o cadastrado tendo de solicitar a sua inclusão na base de dados. Estudo recente do Banco Central cita trechos do nosso parecer aprovado no Senado, em 2017, que demonstrava a ineficácia do modelo adotado em 2011, que “não foi capaz de criar um banco de dados robusto. Até dezembro de 2016, ou seja, num período de quase 6 anos apenas, 5,5 milhões de usuários foram inseridos no Cadastro Positivo, o que representa menos de 5% do potencial do mercado”.

 

De fato, sugerimos mudanças que foram acolhidas pelo Congresso Nacional em 2019:

 

A adesão ao cadastro positivo passou a ser automática mantendo-se o direito de opção pela saída e ampliamos o escopo das informações a serem consideradas, incluindo, além de operações de crédito, o registro de pagamentos dos serviços de água, esgoto, eletricidade, gás, telecomunicações e assemelhados;

 

Os resultados do novo cadastro positivo são animadores, apesar do pouco tempo de vigência e da ainda incompleta implantação do modelo: i) o número de cadastrados alcançou, no final de 2020, cem milhões de consumidores, ii) 41% das pessoas naturais cadastradas migraram para uma classificação de menor risco Para as empresas esse percentual foi de 30%; iii) Foi observada uma redução média de 10,4% a 15,9% nos juros das operações de empréstimo pessoal dos cadastrados em relação aos que não estavam ativos no sistema; iv) 88% das instituições financeiras mostraram interesse em utilizar as informações para avaliação do crédito de micro e pequenas empresas

 

Portanto, a tendência é que o modelo possa contribuir ainda mais para melhorar as condições de acesso ao crédito com a ampliação das informações disponibilizadas pelas empresas de serviços de utilidade pública e com uma maior utilização do cadastro por parte das instituições financeiras. Essa é uma condição fundamental para inclusão de 40 milhões brasileiros no mercado de crédito.

 

Foto: José Paulo Lacerda/divulgação (imagem feita antes da pandemia)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Em novo caso de nudez, corredora sai pelada em Porto Alegre

Filho deve substituir Aragão candidato em Santa Cruz