Polícia trabalha com linhas de investigação para elucidar a Chacina de Sanharó

Por Flavio J. Jardim
Notícia Verdade


Os policiais investigam se uma das vítimas era o “alvo principal” da chacina. Não haverá velório coletivo em Sanharó. Cada família vai sepultar seus mortos.

O principal alvo morreu no local ou conseguiu fugir. Essas são duas linhas de investigação que a Polícia Civil trabalha para desvendar a Chacina de Sanharó, crime ocorrido na madrugada deste sábado (07 de novembro), no Sítio Cachoeira, zona rural de Sanharó, município do Agreste de Pernambuco situado a 198 quilômetros do Recife.

Áudios em grupos de WhatsApp da região dizem que o alvo principal seria uma das vítimas fatais, porém a polícia não descarta a hipótese do alvo principal, a pessoa que os matadores queriam eliminar, conseguiu fugir do local.

ENTENDA O CASO

Uma festa com paredão de som, com muitos jovens, estava sendo realizada na madrugada deste sábado (07 de novembro) para arrecadar fundos para os desalojados das fortes chuvas e da enchente que atingiu a cidade de Sanharó, na última segunda-feira (02). Choveu cerca de 290 mm na cidade e 300 pessoas ficaram desabrigadas.

A festa beneficente, que recebia alimento e doações, foi interrompida quando dois homens fortemente armados chegaram e começaram a disparar para todos os lados. As informações dão conta que os elementos até agora desconhecidos, após descarregarem as armas, fugiram em um veículo preto, de placas não anotadas.

As testemunhas dizem que foram momentos de terror e correria. Os tiros atingiram muitas pessoas. Quatro delas morreram e 5 ficaram feridos.

Minutos após os tiros, na correria para socorrer uma das vítimas, um dos jovens conduziu um veículo em alta velocidade e capotou com o carro.

A polícia já tem linhas de investigação do caso. A grande questão é descobrir se os tiros mataram o alvo dos bandidos, o que eles procuravam, ou se o verdadeiro alvo conseguiu fugir do local. A incógnita é que algumas testemunhas dizem que os elementos também atiraram aleatoriamente.

As linhas de investigação estão avançando e em breve a polícia deve fornecer mais detalhes. Um dos áudios de WhatsApp já está sendo analisado. O crime chocou os moradores de toda região e a cidade sofre profundo pesar.

No início da noite de hoje (07), foi anunciado que não haverá velório coletivo em Sanharó, ou seja, cada família vai preparar o sepultamento isoladamente. O saldo tétrico da Chacina de Sanharó, como a tragédia já está sendo chamado na cidade, deixou um grande sentimento de pesar na cidade.

Um dos sepultamentos (da vítima Emilly) será amanhã e o corpo será velado na residência dos avós, no Sítio das Moças, em Sanharó.

A revolta da população de Sanharó é que muitos inocentes morreram sem nada dever. “Foram assassinadas apenas por estar no local errado e na hora errada”, disse uma fonte.

VEJA OS NOMES DAS VÍTIMAS FATAIS:

MANOEL DEYVISON MACIEL, nascido em 29/03/1992, residente no Sítio Boa Esperança, zona rural de Sanharó, que morreu no local.

DENILSON ALVES SANTOS, residente no Sítio Covas dos Caboclos, zona rural de Sanharó, socorrido por populares para o Hospital de Sanharó, onde já chegou sem vida.

EVANILSON DAS SANTOS ALVES, nascido em 29/07/2000, residente no Sítio Malhada da Pedra, zona rural de Sanharó, que morreu no local.

EMILLY VICTÓRIA BATISTA LUNA AQUINO, nascida em 29/05/2002, residente no Sítio das Moças, zona rural de Sanharó, estava sendo socorrida para a UPA de Pesqueira, mas faleceu devido à gravidades dos ferimentos à bala.

OS FERIDOS

Cinco pessoas ainda foram atingidas pelas costas e socorridas para o hospital de Sanharó. Posteriormente, foram transferidas para hospitais da região (Belo Jardim, Sanharó, Pesqueira e Caruaru).

JAMERSON LEITE SOUZA, nascido em 24/03/1997, residente no Sítio das Moças, zona rural de Sanharó.

ANA ROBERTA DA SILVA SANTOS, nascida em 17/11/2001, residente no Sítio Mulungu, zona rural de Sanharó.

DIEGO HENRIQUE DE OLIVEIRA SANTOS, nascido em 26/01/1994, residente Bela Vista, Belo Jardim.

GABRIELA SILVA de 25 anos, atingida com tiro na perna, deu entrada na UPA Pesqueira e foi transferida para Caruaru.

JOSÉ GIAN DE FREITAS BATISTA, nascido em 24/01/2002 residente no Sítio das Moças, zona rural de Sanharó, foi atendido na Unidades Mista de Sanharó, com escoriações leves provocadas por estilhaços. Após o atendimento médico, foi liberado.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Em novo caso de nudez, corredora sai pelada em Porto Alegre

CICLISTAS SANTA-CRUZENSES DE MALAS PRONTAS PARA NOVOS DESAFIOS