Nota de R$ 200 será apresentada e colocada em circulação pelo BC nesta quarta

Apresentação será feita às 13h30 e transmitida pelo canal da autoridade monetária no YouTube; 450 milhões de unidades serão produzidas em 2020

Por Brasil Econômico - com informações das agências Brasil e O Globo

Marcello Casal Jr/Agência Brasil
Nova nota de R$ 200 será lançada e colocada em circulação nesta quarta-feira (2)

A nova nota de R$ 200, com a imagem do lobo-guará , será apresentada e colocada em circulação nesta quarta-feira (2). Segundo o Banco Central (BC), será a sétima cédula da família de notas do Real. Serão produzidos neste ano 450 milhões de unidades, o equivalente a R$ 90 bilhões. Ainda não foi divulgada a imagem da nova cédula, mas, segundo indicações da autoridade monetária, a nota deverá ser cinza e ter detalhes em marrom .

Leia também
A cerimônia de lançamento da nota de R$ 200 será às 13h30 e transmitida pelo canal do Banco Central no YouTube. Serão oficializados o desenho, a cor e as informações de segurança da cédula, que, como já se sabe, será representada pelo lobo-guará , escolhido em pesquisa realizada pelo BC em 2001 para eleger quais espécies da fauna brasileira deveriam ser estampadas nas cédulas do país.

De acordo com o Banco Central, o lançamento da nova nota é uma forma de a instituição agir preventivamente para a possibilidade de aumento da demanda da população por papel moeda. A cédula chegou a ser questionada pela ministra Cármen Lúcia, do Supremo Tribunal Federal (STF), que deu 48 horas para Roberto Campos Neto, presidente do BC, explicar o porquê da nova cédula.

Segundo ele, a nota de R$ 200 é "imprescindível", legal e constitucional e visa garantir que não falte dinheiro físico, já que a Casa da Moeda vem operando com capacidade máxima e poderia não conseguir suprir a demanda com o valor máximo de R$ 100 por nota.

O BC complementou dizendo que "não havia combinação possível de cédulas, considerando as denominações até então existentes, que permitisse atender à demanda de numerário projetada até o fim do exercício, sendo inevitável a opção pela criação da nova cédula".

O pedido de Cármen Lúcia, que acatou ação dos partidos Podemos, PSB e Rede, levantou ainda o possível incentivo a crimes financeiros que a nota poderia gerar. Segundo o BC, é “nulo” o potencial da cédula de incentivar atividade como a lavagem de dinheiro porque a distribuição da nova cédula será pulverizada e em pequeno volume.

"Ademais, a principal demanda identificada está relacionada a saques em espécie pelos beneficiários do auxílio emergencial e de outros programas públicos de transferência de renda, sendo possível presumir que as novas cédulas serão preferencialmente destinadas a um número elevado de pessoas naturais (mais de 53 milhões de beneficiários) pertencentes às camadas menos favorecidas da população, com emprego direto em bens e serviços ligados à própria subsistência e não à atividade criminosa", justificou o BC.

Maior custo de produção da história

De acordo com documentos disponibilizados por meio da Lei de Acesso à Informação após solicitação do Portal Bitcoin , a nota de R$ 200 será o instrumento monetário mais caro da história do Real . Cada cédula custará R$ 0,325, superando o custo da moeda de R$ 1, que custa R$ 0,31 para ser colocada em circulação.

Tradicionalmente, as moedas são mais caras de serem produzidas do que as notas , que possuem valor monetário superior. Em larga escala, esses poucos centavos podem fazer muita diferença na produção da Casa da Moeda, estatal responsável por imprimir o dinheiro.

A moeda de R$ 0,05, por exemplo, custa três vezes mais do que valor estampado no material. O custo é de R$ 0,17 a unidade.

O BC gastará R$ 113,8 milhões acima do previsto para imprimir as notas de R$ 200 e aumentar a produção da nota de R$ 100. A expectativa é que não sejam colocadas todas as cédulas de R$ 200 em circulação de uma vez.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Em novo caso de nudez, corredora sai pelada em Porto Alegre

Filho deve substituir Aragão candidato em Santa Cruz