O que pode mudar na educação com o novo Fundeb, aprovado na Câmara

Fundo que financia a educação básica prevê aumento da participação da União nos gastos e aumentará recursos para municípios mais pobres


'São investimentos nas crianças e no futuro de tantos', disse Rodrigo Maia
Maryanna Oliveira/Câmara dos Deputados

Uma votação considerada "histórica" por parlamentares e entidades ligadas à educação aprovou na noite de terça-feira (21), na Câmara dos Deputados, a PEC (Proposta de Emenda Constitucional) do novo Fundeb, o Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação Básica.

O Fundeb, que financia cerca de dois terços de toda a educação básica pública do Brasil, expirava, por lei, no final deste ano.

Sua ausência provocaria, segundo especialistas, um caos no financiamento da educação, porque não haveria garantia de dinheiro para o pagamento de salários de educadores e de manutenção de escolas - em 2019, o Fundeb teve mais de R$ 150 bilhões em recursos.


A PEC foi aprovada em dois turnos, por 499 votos a 7 na primeira votação e por 492 votos a 6 na segunda. Agora segue para o Senado, onde também tem de ser aprovada com maioria qualificada em dois turnos.

Se o texto for aprovado no Senado, tornará o Fundeb permanente e promoverá mudanças importantes no financiamento e na distribuição de recursos para a educação pública básica do país.

A mudança mais importante é que a PEC aumenta o aporte do governo federal ao Fundeb. Hoje, o fundo é financiado por 10% de recursos da União e 90% de recursos de Estados e municípios - uma partilha considerada injusta por estes, que argumentam que a União arrecada muito mais impostos.

Texto aprovado na Câmara prevê aumento da participação da União nos gastos com o ensino
Ciete Silvério/Governo do Estado de SP

"É um modelo de cabeça para baixo: os Estados e municípios são os que atendem diretamente 45 milhões de alunos, mas a concentração tributária fica com a União", disse à BBC News Brasil, em entrevista anterior à votação de terça, a deputada federal Professora Dorinha Seabra Rezende (DEM-TO), relatora da PEC na Câmara.

Aumento do aporte e CAQ

O texto aprovado na terça prevê que o aporte da União aumente para 12% do Fundeb em 2021 e progressivamente até 23% em 2026. Os repasses não entram nos cálculos do teto de gastos do governo.

A maior parte dos recursos adicionais do governo federal irá para Estados e municípios pobres que hoje não conseguem alcançar um patamar mínimo de investimentos por aluno, mesmo que esses municípios estejam em Estados mais ricos.

veja também
"Com essa proposta, 46% dos municípios que se encontram em estágio de subfinanciamento educacional crítico passarão a contar com mais recursos", diz a organização Todos Pela Educação.

Segundo a organização, o patamar mínimo de investimento por aluno no país passará de R$ 3,7 mil em 2020 para cerca de R$ 5,7 mil em 2026.

Haverá aumentos já a partir do ano que vem, quando se estima que o investimento mínimo por aluno chegará de R$ 4,6 mil.

De acordo com o relatório Education At Glance 2019, da Organização Para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), embora o Brasil destine uma porcentagem alta de seu PIB à educação, "o gasto por estudante na educação básica fica bem abaixo da média da OCDE".

Estados e municípios arcam com a maior parte do fundo
Marcos Santos/USP Imagens

Para a deputada Dorinha Rezende, a mudança vai reduzir as desigualdades regionais do país em financiamento da educação.

"Não tem sentido uma criança ter R$ 19 mil de custo por ano e outra que não chega a R$ 2 mil em vários municípios brasileiros. Não é esse o país que nós queremos", afirmou durante a votação, segundo a Agência Câmara.

O Todos Pela Educação estima também que as mudanças no Fundeb façam com que 1.471 redes de ensino mais pobres passem a receber 8,2% adicionais de recursos já a partir do ano que vem.

Além disso, uma parcela (2,5 pontos percentuais) do dinheiro complementar da União será destinada a redes públicas que cumpram com parâmetros de melhoria de gestão de recursos.

O texto aprovado conta também com um dispositivo chamado Custo Aluno Qualidade (CAQ), que, passando a valer em uma emenda constitucional, trará ao longo dos anos padrões mínimos de qualidade para as escolas públicas, segundo Daniel Cara, professor da Faculdade de Educação da USP e membro da Campanha Nacional Pelo Direito à Educação.

Fundeb movimenta R$ 150 bilhões por ano, para financiamento das escolas brasileiras
Marcos Santos/USP Imagens

Resistência do governo

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia, afirmou que a Casa fez "história" com a votação.

"São despesas (sobre o aumento da participação do governo federal nos recursos do fundo) que, na verdade, são investimentos nas crianças e no futuro de tantos", afirmou, segundo a Agência Câmara. "Isso traz responsabilidade para achar o caminho para que esses recursos cheguem."

O texto da PEC era discutido intensamente desde 2019, com grande resistência do governo federal, que se queixava de não ter recursos suficientes para aumentar seus repasses.

No sábado, o governo chegou a apresentar uma proposta de última hora, prevendo, entre outras mudanças, que a PEC só entrasse em vigor a partir de 2022 - o que, segundo críticos, deixaria um vácuo no financiamento da educação em 2021.

A proposta não vingou, e o governo acabou fechando um acordo com parlamentares, mantendo a proposta original do Fundeb em troca de apoio para colocar em prática o programa de distribuição de renda chamado Renda Brasil.

BBC Brasil - Todos os direitos reservados - É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Em novo caso de nudez, corredora sai pelada em Porto Alegre

Em 2020, Governo Bolsonaro gastou R$ 15 milhões em leite condensado