LUTA PELA LIBERDADE

Por José Nivaldo Junior*

O direito de exprimir opiniões, livremente, foi uma conquista da civilização. Custou  milhões de vidas ao longo de séculos. Não é um legado para ser tratado com desdém nem desafiado como se insulta um vizinho numa briga de condomínio. É o bem mais valioso da humanidade. E a imprensa é o seu principal instrumento garantidor.

VIDA PÚBLICA É OPÇÃO 

Ninguém é obrigado a se tornar figura pública, principalmente a entrar na política. Fala-se muito mal dos políticos porque os maus, os que chamo laranjas podres, contaminam a imagem dos demais. Política é vida de sacrifício. A começar pela perda da privacidade. A vida pública, como o nome não deixa margem para interpretações, é pública. Está à disposição de todos. Até mesmo em aspectos privados, de intimidade, que, quando se trata de uma pessoa comum, divulgar é invasão de privacidade e baixaria. Para alguém da política, privacidade só no ambiente familiar. Ou entre quatro paredes. 

TUDO PASSADO A LIMPO

A vida de qualquer pré-candidato, por exemplo, pode  e deve ser vasculhada, investigada, contraditada. Quem não entendeu isso, deve pedir para retocar a maquiagem e cair fora. Não há no ambiente político contemporâneo espaço para ameaças, constrangimentos, uso de estruturas jurídicas e policiais para tentar calar a imprensa. Aprenda quem ainda não aprendeu: o fato é sagrado. A interpretação é livre.

RUMO AO LIXO

Quem vai de encontro a isso, vai na contra-mão do progresso coletivo, do respeito ao contraditório, das grandes conquistas da humanidade. Quem se incomoda com críticas e por cima tenta agredir, retaliar ou cercear a liberdade de expressão, anote: não pode ter o respeito nem a companhia das pessoas de bem. Está a caminho do lixo da História.

*Consultor em Comunicação. Da Academia Pernambucana de Letras.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Em novo caso de nudez, corredora sai pelada em Porto Alegre

Filho deve substituir Aragão candidato em Santa Cruz