Cacique Raoni ironiza: “Onde está o amigo de Bolsonaro, o Queiroz?”

Em Altamira, no Pará, um dos maiores líderes indígenas do mundo responde às críticas do presidente com cobrança e faz apelo: "É a floresta que segura o mundo. Se acabarem com tudo, não é só índio que vai sofrer"

O cacique Raoni, durante a entrevista, em Altamira (PA).
LILO CLARETO/ISA

Altamira (Pará) 
El País

O cacique kayapó Raoni Metuktire só fala em paz. Em Altamira, onde participa do encontro Amazônia Centro do Mundo —que reúne povos da floresta (indígenas, quilombolas e ribeirinhos), cientistas e ativistas—, um dos maiores líderes indígenas do mundo repete a mensagem que espalha há mais de cinco décadas: "Minha luta é para proteger a floresta, para que todos possamos viver em paz". Não à toa, em setembro, Raoni entrou na lista de indicados para concorrer ao Nobel da Paz e outras lideranças indígenas de todo o país iniciaram a campanha para que ele levasse o prêmio (que acabou indo para Abiy Ahmed, primeiro-ministro da Etiópia). O cacique caiapó, no entanto, ficou alheio ao burburinho. "Esse é só o meu trabalho, né? Eu nunca pedi prêmio algum, mas, se eu ganhasse, usaria o reconhecimento para continuar ajudando o povo indígena e a preservação da floresta", diz ao EL PAÍS, sentado em um banquinho de madeira às margens do rio Xingu.

Apesar de falar português, há anos ele decidiu comunicar-se apenas em caiapó. Quem traduz a entrevista é Megaron Txukurramãe, seu sobrinho e, há anos, acompanhante nas viagens pelo mundo. É com ele, e com o segurança que o segue a todas as partes, que Raoni chega para o encontro, no meio da floresta. Antes de sentar-se para a conversa com a reportagem, ele, vestido com calça e camiseta azul marinho, um cocar de penas amarelas, diversos colares e o botoque no lábio inferior que lhe é tão característico, para durante alguns minutos para observar as árvores ao redor. "Como é bonito isso aqui!", diz, quase com um suspiro.

O cacique senta-se muito ereto no banco sem encosto para as costas e gesticula apenas com a mão esquerda. Se agita e faz movimentos com os dois braços, apontando repetidamente o indicador, de modo acusatório, quando faz menção ao presidente Jair Bolsonaro. Raoni, de aproximadamente 89 anos —não se sabe o ano exato de seu nascimento—, que havia passado os últimos anos afastado da vida pública, depois de tornar-se conhecido internacionalmente desde os anos 1980 pela defesa dos povos indígenas e pela luta contra construção da hidrelétrica de Belo Monte, conta que foi por causa de Bolsonaro que decidiu voltar a viajar e reunir-se com líderes de todo o mundo. "Nunca deixei de me preocupar pelos indígenas e pelo progresso dos nossos povos, com o que está acontecendo com a floresta. Mas, este ano, com a mudança de Governo, que ameaça nossa existência, pensei em voltar e continuar minha luta".

Em maio, Raoni viajou pela Europa em busca de apoio para a defesa da Amazônia. Esteve com o Papa Francisco e visitou o presidente francês, Emmanuel Macron. Isso rendeu-lhe um ataque de Bolsonaro em seu discurso de abertura da Assembleia-Geral da ONU, em setembro. “A visão de um líder indígena não representa a de todos os índios brasileiros. Muitas vezes alguns desses líderes, como o cacique Raoni, são usados como peça de manobra por governos estrangeiros na sua guerra informacional para avançar seus interesses na Amazônia”, disse o presidente brasileiro.

O cacique Raoni.

Em agosto, Raoni lamentou publicamente que Bolsonaro não quisesse encontrar-se com ele. Hoje, diz que não tem interesse em sentar-se com o presidente. "Eu conversaria com algum outro representante do Governo, alguém que substitua ele. Mas com Bolsonaro não quero falar, não". Nesta segunda-feira, Raoni foi hostilizado por um pequeno grupo de representantes de entidades ruralistas durante a abertura da jornada da Amazônia Centro do Mundo na Universidade Federal do Pará (UFPA) de Altamira, que fizeram eco das palavras de Bolsonaro sobre as ONGs serem responsáveis por crimes ambientais na Amazônia. Apesar do incidente, quando retomou a fala, o líder indígena voltou a pedir paz.

O cacique solta uma sonora gargalhada quando perguntado se seu amigo Sting —ex-líder da banda The Police, com quem Raoni saiu em turnê internacional nos anos 1990 para denunciar a destruição da floresta e o descaso do Governo brasileiro com a população indígena— lhe telefonou para demonstrar apoio ante as críticas do presidente. "Todas as pessoas que eu conheço, Sting, Nicolas, Hulot [ambientalista francês], o presidente da França, o Papa, todos me apoiaram, todos me falaram que Bolsonaro não é bom, porque ele está me atacando. Todos me disseram: 'Estamos com você'. Mas sou eu que pergunto onde está o amigo dele. Cadê o amigo de Bolsonaro? Cadê o Queiroz?", pergunta, referindo-se a Fabrício Queiroz, ex-assessor parlamentar do senador Flavio Bolsonaro, filho do presidente. Queiroz é acusado de ter movimentado mais de um milhão de reais de forma irregular entre janeiro de 2016 e janeiro de 2017, período em que trabalhou como motorista e segurança do político. O ex-funcionário da Assembleia do Rio é investigado por lavagem de dinheiro e suspeito de cobrar uma fatia do salário de outros servidores, num caso paralisado por uma decisão do Supremo Tribunal Federal que volta ao debate nesta quarta.

Mudanças climáticas e desmatamento

No dia em que o Governo divulgou que a Amazônia perdeu 9.700 quilômetros quadrados em um ano, o que representa o maior desmatamento desde 2008, Raoni lembrou que vem alertando há décadas sobre o problema, provocado principalmente pelas mineradoras, fazendeiros, madeireiros e grileiros na região. "Fico preocupado com o que está acontecendo hoje, as pessoas estão desmatando cada vez mais para fazer roças e plantar. E estão fazendo isso de uma maneira muito séria, com fogo. Acho que esse povo já tem seus pedaços de terra para empreender, deveriam continuar usando o que já têm, sem derrubar mais floresta".

O cacique também falou sobre as mudanças climáticas, um dos principais temas do encontro Amazônia Centro do Mundo. "Minha preocupação não é só com os indígenas, mas com todo o mundo. Porque se eles desmatarem toda a floresta, o tempo vai mudar, o sol vai ficar muito quente, os ventos vão ficar muito fortes. Eu me preocupo com todos, porque é a floresta que segura o mundo. Se acabarem com tudo, não é só índio que vai sofrer. Minha preocupação é com o futuro das crianças e jovens que vão crescer neste planeta", lamenta. 

Raoni celebrou o encontro inter-geracional e de vários povos e etnias para debater soluções para a proteção do meio ambiente e dos povos da floresta. "Gostei muito de estar com eles, pude passar minha mensagem. Espero que essa união continue daqui para a frente, que possamos formar uma aliança para proteger a Amazônia", diz, fazendo com as mãos um movimento que indica união, junção de povos. Ele mencionou os jovens ativistas pelo clima, entre eles as belgas Anuna de Wever e Adélaïde Charlier, que navegaram durante seis semanas em um barco a vela para vir ao Brasil.

A essas jovens, deu um conselho sobre a melhor forma de lutar pela preservação da floresta e da vida: "Na minha vida, fiz muito discurso e falei com muito chefe político do mundo todo. É lá fora que temos que controlar o problema. Porque é o povo de lá que vem com dinheiro para investir aqui, para construir barragens, coisas grandes", diz e acrescenta: "Agora é a vez de vocês falarem com eles. E não é só pedir dinheiro. Dinheiro é bom para fiscalizar nossas áreas e não deixar madeireiros e garimpeiros entrarem, mas não é tudo. Tem que falar com os políticos".

À beira dos 90 anos —ou quiçá com mais que isso— Raoni diz que ainda tem força para lutar, apesar de dividir a responsabilidade para a juventude. "Eu vim para cá falar e para ser ouvido. É isso que vou fazer", afirma.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Imagens fortes. Jovem espanca e mata amante do pai no meio da rua