Sem tempo para Bolsonaro

Por ÁUREA CAROLINA*

Não devemos perder energia com reclamação desprovida de ação. A crítica ao governo deve vir acompanhada de compromisso prático 

Eu tinha a intenção neste texto de fazer um balanço sobre o meu primeiro semestre na Câmara dos Deputados, mas mudei de ideia. Sinto que é mais urgente falar de outro assunto, uma questão que não pode esperar: o que fazer com a desolação política que anda solta pelo mundo e que pegou o Brasil de jeito? 

Parece que o portal do inferno se abriu e as criaturas mais bestiais escaparam em debandada para tomar de assalto as instituições – da família ao Estado, sem poupar ninguém. De forma perturbadora, esses incontáveis replicantes são, ao mesmo tempo, repudiados e adorados por toda parte, assim como o triste exemplar plantado na Presidência do nosso país. 

A figura de Bolsonaro causa repulsa por combinar tirania com extraordinária burrice e uma estética vexatória, e ainda assim consegue ser inacreditavelmente sedutora. Muita gente não só acha graça do seu estilo inconsequente e “autêntico” de ser, como se sente desforrada por sua performance apocalíptica. Como é possível que os grunhidos desses seres das trevas ainda recebam tanta adesão? Não somos melhores do que isso? 

O Bolsonaro mitificado é perfeito na sua síntese ignóbil, mas seus semelhantes humanizados costumam ser mais complexos e contraditórios. Nem mesmo o senhor Jair Messias, a pessoa física, está à altura da sua versão icônica. O problema é que, na vida real, todo mundo pode ter um pouco de Bolsonaro. Como lidar? 

Tenho insistido que desumanizar Bolsonaro e sintetizá-lo exclusivamente na sua projeção simbólica é um equívoco que alimenta a abominável criatura. Isso é válido para os ídolos e salvadores da pátria, até para aqueles que amamos de coração, sobretudo em uma sociedade de culto personalista e raízes autoritárias como a nossa. Não é difícil explicar a eclosão de Bolsonaros, Trumps e afins em um planeta cada vez mais controlado por sistemas globais de ganância, opressão, ódio e concentração do poder. No contexto brasileiro – não custa lembrar: um país de origem colonialista, patriarcal, racista, etnocida, desigual –, difícil é não ter uma pontinha bolsonarista, nem que seja lá na profundeza da alma. Vasculhando bem, toda pessoa honesta é capaz de encontrar a sua parte nesse latifúndio. 

O QUE ESTAMOS FAZENDO PARA MUDAR AS COISAS? OU ESPERAMOS QUE O INCONFESSÁVEL BOLSONARO QUE MORA DENTRO DE NÓS DESAPAREÇA POR MILAGRE? 

Em certas bolhas, porém, relutamos contra isso. Desejamos ser melhores do que um tosco replicante e não queremos ser desprezíveis. Temos pavor de ver o pior que podemos ser refletido no espelho do mito. Sentimos náusea ao imaginar cenas de tortura, estupro, escárnio, humilhação; às vezes, reconhecemos que temos privilégios e os utilizamos para que deixem de ser privilégios; tentamos ter empatia por pessoas que sofrem. Estamos cada vez mais adestrados por condicionantes emburrecedores, é verdade, mas estamos em busca de autonomia e propósito para as nossas vidas. 

Vários de nós fizemos pela primeira vez um exercício de cura da pulsão bolsonarista – à qual, talvez, chegamos a entender que não somos imunes – na saga do “vira voto”, durante o segundo turno das eleições de 2018. Calçamos as sandálias da humildade e fomos a campo para uma conversa desarmada com parentes, um café com bolo com transeuntes na rua, uma roda de desabafo e a criação de propostas de ação com amigos desesperados. Foi preciso sair da lamentação, assumir nossa parcela de responsabilidade e fazer algo que estava ao nosso alcance: dialogar abertamente com os outros. Quem passou por essa experiência sabe da sua potência. Já era tarde para virar o jogo eleitoral, mas não foi em vão. 

Para quem vive num constante “vira voto”, atuando sem descanso em lutas sociais e iniciativas comunitárias, o fenômeno do segundo turno não foi nada surpreendente, mas reafirmou a importância do chamado trabalho de base. Para quem tinha se distanciado desse trabalho ou nunca tinha se engajado, foi uma chance valiosa de colocar a mão na massa. 

Falamos em trabalho de base porque é um saber-fazer dedicado a conectar as pessoas a partir de necessidades e ações comuns, desde os mais diversos territórios, para melhorar suas condições de vida. Não acontece de qualquer jeito, mas pode e deve envolver simplicidade e pequenos gestos, começando pela disposição existencial de ser útil. Mudanças duradouras são sustentadas pela multiplicação de ações coletivas que fazem diferença no cotidiano e geram meios subjetivos e materiais para a retomada da democracia, como de fato ocorreu no processo de redemocratização da sociedade brasileira na saída da ditadura civil-militar. 

Temos visto muita gente reclamando do Bolsonaro e seus infindáveis absurdos. Quase não dá para respirar. Mas acho que não temos mais tempo e energia a perder com tanta lamúria desprovida de ação. A imprescindível crítica ao desgoverno, no meu entendimento, precisa ter uma pegada “vira voto”, com compromisso prático. Sem esse caráter propositivo, a nossa desolação tende a se converter em fonte de alienação e adoecimento, como já se pode constatar. Então, o que estamos fazendo para mudar as coisas? Ou esperamos que o inconfessável Bolsonaro que mora dentro de nós desapareça por milagre? 

Bolsonaro é sintoma e consequência de uma cultura política da morte, extremamente individualista e competitiva. O bolsonarismo, nesse sentido, existe antes e depois do mito. Seu contraponto, portanto, deve ser uma cultura política para todo mundo viver bem, que seja decididamente solidária e que construa o amor como capacidade democrática. A convivência na diversidade, sempre muito desafiadora, é critério para essa transformação. Não por acaso, Bolsonaro investe na degradação das relações e na perseguição às diferenças. 

Um antídoto poderoso, com certeza, vem das tarefas de convívio e ativismo: cuidar de uma praça, fazer um cineclube, organizar um cursinho ou uma creche, apoiar movimentos populares, ocupar as eleições… Não é pouca coisa. É preciso se dar ao trabalho. 

*Áurea Carolina foi eleita deputada federal pelo PSOL de Minas Gerais em 2018. Antes disso, foi a vereadora mais votada de Belo Horizonte em 2016. Integrante da movimentação cidadanista Muitas, atua em movimentos sociais desde a adolescência e é formada em ciências sociais pela UFMG, onde também concluiu mestrado em ciência política. Além disso, fez especialização em gênero e igualdade pela Universidade Autônoma de Barcelona.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Em novo caso de nudez, corredora sai pelada em Porto Alegre

Filho deve substituir Aragão candidato em Santa Cruz