Bolsonaro nega fim de multa do FGTS em demissões sem justa causa

A sinalização de que poderia acabar com a multa ocorreu na sexta, quando o presidente associou a multa à falta de emprego

IGO ESTRELA/METRÓPOLES

Metrópoles

O presidente Jair Bolsonaro negou, nesta segunda-feira (22/07/2019), que o governo planeja acabar com a multa de 40% paga sobre o saldo do FGTS em caso de demissão sem justa causa. “Eu não falei que ia acabar com a multa, até porque não tenho poder para isso, passaria pelo Parlamento. Não existe isso aí”, disse.

A sinalização de que poderia acabar com a multa ocorreu na sexta-feira (19/07/2019), quando o presidente afirmou em entrevista que a multa atrapalha o emprego. No domingo, houve um recuo em relação primeira sinalização. Bolsonaro disse que o governo “pode pensar”, no futuro, em reduzir a multa.

O presidente disse ainda que deve ser anunciada nos próximos dias a medida provisória com mudanças nas regras de saque do FGTS. “Conversei rapidamente com o Paulo Guedes e acredito que nos próximos dias ele vai definir o desenho final do FGTS”.

Entre as mudanças que podem ser anunciadas, uma seria a liberação para saque de um percentual das contas inativas com o objetivo de injetar mais dinheiro na economia. Esse percentual ainda não foi definido pela equipe econômica.

O presidente também negou que pretenda enviar ao Congresso uma Proposta de Emenda à Constituição (PEC) para tratar desse assunto e disse que o ministro da Economia, Paulo Guedes, está trabalhando na elaboração de uma proposta de reforma tributária.

“O Paulo Guedes está ultimando também a sua reforma tributária que mexe com impostos federais apenas. É isso que está bastante avançado por parte dele. Semana que vem tem nova reunião de ministros e com toda certeza esse assunto vai dominar a pauta”, observou.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Carreata da Frente Popular lota as ruas de Santa Cruz do Capibaribe em apoio à campanha de Paulo Câmara