Diogo Moraes comenta interdição do Matadouro Municipal de Santa Cruz do Capibaribe e responsabiliza prefeitura


Nesta terça-feira (1º), o deputado estadual Diogo Moraes, vice-líder do governo na Alepe, realizou pronunciamento na tribuna do plenário para defender o Governo de Pernambuco, após a interdição do Matadouro Municipal de Santa Cruz do Capibaribe, na última sexta-feira (29). Na ocasião, em nota, a prefeitura do município atribuiu ao Poder Executivo Estadual a falta de repasses para resolução do problema. Segundo a decisão da Justiça Civil do município,  o matadouro encontra-se em precárias condições de higiene, não apresenta estrutura física e equipamentos necessários às operações, resultando em malefícios para a saúde de quem adquire carnes provenientes do matadouro.  

De acordo com o texto do processo, baseado em relatórios da Agência de Defesa e Fiscalização Agropecuária do Estado de Pernambuco (ADAGRO) e Agência Estadual de Meio Ambiente (CPRH), ainda constam no relatório a ausência de práticas de bem-estar animal e a inexistência de tratamento de efluentes com a consequente contaminação do meio ambiente.  “Os riscos são enormes, já que o matadouro está localizado a poucos metros do Rio Capibaribe”, alertou Diogo Moraes. Em seu discurso, o parlamentar destacou que, ainda em dezembro de 2018, o Ministério Público de Pernambuco (MPPE) denunciou o local também por irregularidades. 

Por meio de nota, a prefeitura municipal de Santa Cruz do Capibaribe declarou que “para atender as solicitações dos órgãos de controle, como a Agência de Defesa e Fiscalização Agropecuária de Pernambuco (ADAGRO), que é subordinada ao Governo do Estado, o município teria que ter total apoio de repasses financeiros por parte da esfera estadual”. Além disso, na nota da prefeitura, a interdição foi realizada apenas por conta de denúncia de um vereador de oposição com objetivo de fechar o matadouro público “sem pensar nas consequências econômicas e sociais como o desemprego de inúmeros trabalhadores, aumento nos custos do abate, e a ampliação no preço da carne”, afirmou a Prefeitura de Santa Cruz do Capibaribe.

“Nós sabemos que, acima de qualquer questão, deve ser priorizada a vida e a saúde do povo. O vereador que teve esta atitude cumpriu o papel constitucional dele de fiscalização da atividade do executivo municipal. Ele constatou que havia irregularidades graves no matadouro local, denunciou o fato ao ministério público e o ministério público instaurou um inquérito civil público para apurar. Esse inquérito civil resultou numa ação civil pública. Isso tramita desde o ano passado”, explicou Diogo, complementando que é papel do Governo Estadual fiscalizar e garantir o bem estar e saúde da população. “O matadouro municipal é de responsabilidade da gestão municipal”, frisou.

Moraes destacou as inúmeras ações do Governo direcionadas ao município.  “Só em 2018 o referido município recebeu a maior parcela de investimentos que o Governo de Pernambuco dispunha para aplicar. Adutora do Alto Capibaribe, Esgotamento Sanitário, Restauração e duplicação de rodovias, que juntas, somam investimentos de R$ 250 milhões de reais. Diogo lembrou a Operação Têxtil, o Expresso Cidadão da Moda e a simplificação tributária para o Polo Têxtil. “Continuaremos trabalhando para a melhoria dos serviços e infraestrutura da região, na parte que cabe à esfera governamental. Este governo trabalha e muito. Não foge à luta. E quando injustiças como esta forem cometidas, estarei aqui para trazer a verdade”, encerrou o deputado estadual.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Gabarito preliminar das provas do Concurso Público da Prefeitura de Santa Cruz do Capibaribe

Carreata da Frente Popular lota as ruas de Santa Cruz do Capibaribe em apoio à campanha de Paulo Câmara