Por Previdência, parlamentares da base cobram de Onyx cargos do 2º e 3º escalões

Por Andréia Sadi
G1

Deputados da base aliada do governo Bolsonaro avisaram ao ministro Onyx Lorenzoni (Casa Civil) que, se o governo não abrir espaço para a política, a reforma da Previdência não andará na Câmara dos Deputados com celeridade.

O recado foi dado pelo deputado federal Sostenes Cavalcante (DEM-RJ), em nome de parlamentares aliados ao governo. Sostenes também levou queixas da bancada evangélica – que ele lidera – ao ministro da Casa Civil.

No final de semana, o deputado, do mesmo partido que Onyx, avisou ao ministro que a bancada evangélica, apoiadora de Bolsonaro, estava irritada com a demissão de Pablo Antônio Tatim, indicado pela bancada, de uma secretaria da Casa Civil. A demissão foi sem explicação – e sem aviso prévio aos parlamentares.

O deputado avisou ao ministro que, se o governo não abrir as portas para a articulação política, dificilmente fará andar a Previdência.

Procurado pelo blog, Sostenes confirmou a queixa.

“Eu não preciso de cargo no estado, porque meu voto é de igreja. Mas precisa respeitar o deputado que faz política assim. Dividir os espaços e cargos federais é natural da política. Uma coisa é corrupção. A outra, é dividir espaço para fazer política. Se não melhorar essa comunicação, fica difícil. E a gente quer ajudar”.

O ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni 
 Foto: Adriano Machado/Reuters

Onyx, em reação, sinalizou que a partir desta quarta-feira (13) o governo vai chamar coordenadores das bancada estaduais para discutir cargos de segundo e terceiro escalão.

No final de semana, Rodrigo Maia esteve com o presidente Bolsonaro para discutir a Previdência. Combinou de levar parlamentares para se reunir com o presidente.

Maia é da tese de que o governo precisa melhorar a articulação política para aprovar a Previdência. Nesta quarta, ele recebe o ministro da Economia, Paulo Guedes, e líderes para almoçar.

Minirreforma ministerial

Mas parlamentares ouvidos pelo blog afirmam que não é suficiente: cobram uma minirreforma ministerial para que o governo, de fato, monte uma base com 4 ou 5 partidos. “Quantos votos o governo tem com os ministros que já estão ali? Tira o ministro do Turismo, que já está quase caindo, e dá para outro partido, por exemplo”, diz um líder do governo.

O presidente do PSL, deputado Luciano Bivar, é contra a saída do ministro Marcelo Álvaro Antônio [Turismo]. Ao blog, Bivar disse que aconselhou o ministro a “segurar firme” no cargo, “como um marinheiro”.

“Tipo velho marinheiro, segurar-se no mastro até que a tempestade passe”.

O ministro do Turismo não respondeu aos contatos da reportagem.

Tratativas com parlamentares

A líder do governo no Congresso, deputada Joice Hasselman (PSL-SP), está à frente das tratativas com parlamentares nesta semana para fazer o atendimento das demandas da base. Ela tem repetido a interlocutores que os cargos serão distribuídos de acordo com critérios técnicos.

Desde segunda-feira (11), Joice despacha do Palácio do Planalto no atendimento a grupos de parlamentares. Nesta quarta-feira (13), pela manhã, tinha agenda com cerca de 10 deputados.

Na terça-feira (12), conversou com o presidente da Câmara e do Senado sobre a reforma.

Foto: Editoria de Arte / G1

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Gabarito preliminar das provas do Concurso Público da Prefeitura de Santa Cruz do Capibaribe

Carreata da Frente Popular lota as ruas de Santa Cruz do Capibaribe em apoio à campanha de Paulo Câmara