MEC muda de novo e evangélica deve ser a número 2

Por Renata Cafardo
Estadão

A disputa entre grupos rivais dentro do Ministério da Educação (MEC) levou a mais uma mudança. Iolene Lima, diretora de uma escola batista evangélica em São José dos Campos, deve ser a nova secretária-executiva da pasta, cargo considerado como o número 2. Até agora, ela ocupa o cargo de diretora de formação do MEC.

Luiz Antonio Tozi, que estava na posto, foi demitido na terça-feira, a pedido do presidente Jair Bolsonaro. No mesmo dia, o ministro Ricardo Vélez Rodríguez anunciou que Rubens Barreto da Silva seria o secretário-executivo. Mas pressões internas não o deixaram sequer assumir o cargo. Silva é amigo de Tozi e trabalhava com ele no Centro Paula Souza em São Paulo.

Iolene também foi indicada por Tozi, mas tem um perfil que agrada ao grupo mais conservador. Ela dirigia o Colégio Inspire, que em seu site diz que “apresenta todos os conteúdos curriculares dentro da cosmovisão bíblica”. Entre os objetivos da escola está a “formação integral do ser humano” para cumprir “os propósitos de Deus no mundo”. Iolene é pedagoga, com especialização em gestão. O colégio é mantido pela Primeira Igreja Batista de São José dos Campos, que mudou de nome para Igreja da Cidade.

Tozi foi atacado por grupos ligados a Olavo de Carvalho, filósofo e guru dos bolsonaristas. Olavo chegou a pedir a cabeça dele nas redes sociais. O ex-secretário tentava mudar o foco do MEC que até então não apresentou propostas educacionais e está sendo duramente criticado por medidas e declarações de viés ideológico. Tozi foi acusado pelos “olavistas” de ser “tucano” e não atrelado às ideias do presidente.

Nos últimos dias, diversos grupos tentam se movimentar para indicar um novo nome para o ministério da Educação, entre eles evangélicos e militares.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Gabarito preliminar das provas do Concurso Público da Prefeitura de Santa Cruz do Capibaribe

Carreata da Frente Popular lota as ruas de Santa Cruz do Capibaribe em apoio à campanha de Paulo Câmara