Brasil é citado em manifesto do autor do massacre na Nova Zelândia


Homem que transmitiu ao vivo massacre que tirou a vida de 50 pessoas na Nova Zelândia citou o Brasil em seu manifesto. Em primeira audiência, assassino sorri ao ser fotografado e juiz determina que todas as imagens de Brenton tenham seu rosto distorcido

Autor do massacre na Nova Zelândia passa por primeira audiência judicial 
(imagem: reprodução/internacional/stuff)

O principal responsável pelo ataque a tiros que matou 50 pessoas em duas mesquitas na cidade de Christchurch, na Nova Zelândia, citou o Brasil em seu manifesto de 74 páginas

O texto, intitulado The Great Replacement (A Grande Substituição), está repleto de teorias da conspiração populares da extrema direita sobre como europeus brancos supostamente estariam sendo substituídos por imigrantes não brancos.

O Brasil é mencionado na metade do documento, na seção em que Brenton Tarrant faz críticas à diversidade racial. “O Brasil com toda a sua diversidade racial está completamente fraturado como nação, onde as pessoas não se dão umas com as outras e sempre que possível se separam e se segregam”, destaca.

No manifesto, o atirador se auto-descreve como um “etno-nacionalista”, que se inspirou em ataques cometidos por extremistas de direita, como o norueguês Anders Behring Breivik, que matou 77 pessoas em 2011 motivado pelo ódio ao multiculturalismo.

O terrorista afirma ainda que apoia o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, “como um símbolo da identidade branca renovada e pelo objetivo comum”.

O autor do texto escreve que planejou o ataque por dois anos e que escolheu a cidade alvo há três meses. A ideia para o massacre teria surgido numa viagem que fez à Europa entre abril e maio de 2017, que o teria deixado chocado com a “invasão de imigrantes”.

O título do manifesto faz referência a um livro escrito pelo francês Renaud Camus, que popularizou a ideia de “genocídio branco”, um termo tipicamente usado por grupos racistas para se referir à imigração e ao crescimento de populações minoritárias.

Rosto distorcido

Brenton Harrison Tarrant, de 28 anos, será enviado ao Supremo Tribunal em Christchurch em 5 de abril e até lá ficará detido, sem direito à fiança.

Durante a primeira audiência no último sábado (16) ele permaneceu em silêncio, mas olhou diversas vezes para os poucos jornalistas que receberam autorização para acompanhar o procedimento, e sorriu ao ser fotografado e filmado.

Segundo o jornal “New Zealand Herald”, o assassino fez um gesto conhecido como símbolo de supremacistas brancos com as mãos enquanto era fotografado. O juiz determinou que todas as imagens mostrem seu rosto distorcido, para que ele não possa ser visualmente identificado.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Gabarito preliminar das provas do Concurso Público da Prefeitura de Santa Cruz do Capibaribe

Carreata da Frente Popular lota as ruas de Santa Cruz do Capibaribe em apoio à campanha de Paulo Câmara