Bolsonaristas pressionam e Sergio Moro revoga nomeação de Ilona Szabó

Um dia depois de nomear Ilona Szabó para o Conselho Nacional de Política Criminal, Sergio Moro volta atrás e revoga a nomeação. Ministro alegou "repercussão negativa" após ser massacrado pelo núcleo extremista do governo, encabeçado por Olavo de Carvalho

Ilona Szabó (Imagem: Instituto Igarapé)

O ministro Sergio Moro não aguentou a pressão do chamado núcleo extremista do governo Bolsonaro e revogou a nomeação de Ilona Szabó do Conselho Nacional de Política Criminal e Penitenciária.

Olavo de Carvalho, guru político do presidente Jair Bolsonaro (PSL), passou a estimular seus seguidores contra o ex-juiz da Lava Jato e atual Ministro da Justiça e da Segurança Pública.

Em nota, o Ministério informou que a decisão se deu “diante da repercussão negativa em alguns segmentos”. O Ministério pediu “escusas” (desculpas) a Ilona e afirmou tê-la nomeado “pelos relevantes conhecimentos da nomeada na área de segurança pública e igualmente pela notoriedade e qualidade dos serviços prestados pelo Instituto Igarapé”.




Fundadora do Igarapé, Ilona é conhecida por defender o controle de armas. Ela se dedica a estudar políticas de combate à criminalidade.

O Conselho Nacional de Política Criminal e Penitenciária é ligado diretamente ao Departamento Penitenciário Nacional, integrado por treze membros designados pelo Ministério da Justiça. O mandato dos membros do Conselho tem a duração de dois anos.

Membros do Conselho, criado em 1980, se reúnem a cada quatro anos para elaborar o Plano Nacional de Política Criminal, a partir de periódicas avaliações do sistema criminal, criminológico e penitenciário.

Ilona Szabó lamentou a revogação de sua indicação “devido à ação extremada de grupos minoritários”.

“O sentimento é de que quem ganha é a polarização, perde a pluralidade e o debate de ideias, tão fundamentais numa democracia. Lamento profundamente que grupos minoritários mais extremados consigam impedir que que pessoas comprometidas com o bem público, mesmo com divergências, possam sentar na mesa para a construção de um bem maior”, disse a especialista em Segurança Pública.

A especialista afirmou que, além de fazer parte de vários conselhos e instâncias de diferentes origens e orientações políticas, também teve abertura para debater com todos os ministros da Justiça nos últimos 15 anos. “Precisamos de um presidente que pense na República, que governe para um país diverso, plural, e que saiba que faz parte do jogo democrático a pluralidade de vozes.”

Constrangimento

Após a decisão de Moro, o diretor-presidente do Fórum Brasileiro de Segurança Pública, Renato Sérgio de Lima, pediu exoneração da vaga que ocupa no Conselho “em caráter irrevogável e em solidariedade” a Ilona, que, segundo ele, “foi colocada em uma situação constrangedora”.

O Instituto Sou da Paz divulgou nota em solidariedade à pesquisadora. “Politizar a composição destes fóruns e, pior, expor quem voluntaria-se a ajudar, como foi o caso, demonstram duplamente a fragilidade da democracia brasileira e enfraquecem a capacidade de superação da grave situação de segurança pública”, diz o instituto.

As redes sociais também se manifestaram. Instantes depois que a decisão de Moro se tornou pública, a hashtag #MoroBundaMole virou o assunto mais comentado do Twitter.

“Uma mulher elegante, culta e inteligente como essa definitivamente estaria no lugar errado compondo esse governo de ogros. Ela deveria considerar um elogio ter sido exonerada. Nesse governo só há lugar para fanáticos, lunáticos e plantadores de laranjas”, escreveu um usuário.

“Movido a likes”

O presidente do Conselho Nacional de Direitos Humanos, Leonardo Pinho, criticou o recuo de Moro e afirmou que o ministro é “movido a likes”.

“Esse episódio mostra que o governo é frágil e que temos um ministro da Justiça movido a likes em redes sociais”, disse Pinho.

“O sinal que isso envia é que temos um governo incapaz de resistir às pressões das redes sociais e que as vozes diferentes não vão ter muito espaço para diálogo na construção das políticas públicas que são importantes”, observou.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

MENDONÇA FILHO VOLTA A SER ESCRACHADO: ‘XÔ, GOLPISTA’

Gabarito preliminar das provas do Concurso Público da Prefeitura de Santa Cruz do Capibaribe