À espera do ‘fato novo’

Esgotados todos os prazos fixados por Geraldo Alckmin para 'realizar' seu potencial de crescimento eleitoral e a 18 dias das eleições, a esperança passou a ser o surgimento de algum fator exógeno à própria campanha

Vera Magalhães, O Estado de S.Paulo

Tropeço. A foto da queda de Alckmin sintetiza o momento da campanha 
Foto: Dida Sampaio/Estadão

O clima no PSDB é de desalento. Esgotados todos os prazos fixados por Geraldo Alckmin para “realizar” seu potencial de crescimento eleitoral e a 18 dias das eleições, a esperança passou a ser o surgimento de algum “fato novo”, portanto exógeno à própria campanha, ou de um sentimento de última hora que una o eleitor moderado em torno do tucano.

Na busca pelo tal fato novo, pessoas próximas a Fernando Henrique Cardoso tentaram convencê-lo a procurar Alvaro Dias e Henrique Meirelles e fazer um apelo pela união tardia do centro em torno de Alckmin. O ex-presidente não se animou a dar esse passo de novo. De acordo com um de seus mais diretos interlocutores, FHC avalia que o quadro está caminhando para se definir na polarização entre Jair Bolsonaro e Fernando Haddad. 

A reunião do comando da campanha de Alckmin nesta terça em São Paulo foi uma última tentativa de apertar os parafusos disponíveis, mas a constatação dos participantes é de que a caixa de ferramentas está meio vazia. O marketing foi poupado publicamente, mas nos bastidores a avaliação é de que não teria sabido aproveitar o tempo de TV dado pelos partidos a Alckmin e transformado em “latifúndio improdutivo”, nas palavras de um político.

Nesse inventário privado de erros, sobra também para Tasso Jereissati, eleito bode expiatório por ter fornecido, com a entrevista ao Estado na reta final da disputa, munição aos adversários para fustigar o PSDB – sendo o partido a maior âncora de Alckmin, no entender de siglas aliadas.

No barata voa da reta final, diante da consolidação da polarização eleitoral entre Bolsonaro e Haddad, sobram engenheiros de obra pronta. O que mais se diz é que a campanha tucana demorou a bater no PT, deixando o antipetismo como bandeira exclusiva do capitão.

Acontece que, semanas atrás, antes mesmo da facada, o discurso era outro, entre os próprios políticos do Centrão, que diziam que o “inimigo” a ser batido primeiro era Bolsonaro, e o PT seria o alvo no segundo turno, uma vez que se acreditava na repetição quase por osmose da eterna disputa entre petistas e tucanos pela hegemonia política brasileira.

Agora, diante da chance real de o PSDB ser substituído pela direita genuína, depois de servir de cavalo de Troia para ela desde 1994, com a aliança com o PFL de Bornhausen e ACM, os tucanos, perplexos, se dividem sobre o que fazer no segundo turno caso estejam mesmo assistindo da janela. O mais provável é que o partido se exima de apoiar alguém, mas não serão poucos os tucanos a pousar num e noutro poleiro. O mesmo vale para o Centrão, que, antes mesmo da reunião da Rua Alasca (a ironia do endereço), já se divide numa diáspora nem tão silenciosa.

DAY AFTER

Mercado analisa riscos de Bolsonaro e Haddad

Em rodadas de conversas nas últimas semanas com representantes de bancos, fundos de investimentos, corretoras de valores e empresários do setor produtivo, passei a ouvir ponderações sobre os riscos de vitória de Bolsonaro ou de Haddad – os dois cenários mais presentes em relatórios e gráficos. Operadores de São Paulo e do Rio avaliam, com pouca dissonância, que Haddad traria risco mais imediato de disparada do dólar e reversão de decisões de investimentos, dada a questão do futuro de Lula. Para esses agentes, o PT explicitou, mais do que Bolsonaro, a intenção de dar um cavalo de pau institucional, se preciso, para livrar seu líder maior. As palavras mais amenas do candidato nos dois últimos dias, depois do “liberou geral” dos aliados, foram vistas como pouco confiáveis. Sobre Bolsonaro, o temor maior recai sobre suas condições de saúde e os sinais de desentendimento no núcleo mais próximo, a começar pelo vice, general Hamilton Mourão.

Postagens mais visitadas deste blog

ZÉ ELIAS CONCEDE ENTREVISTA E FALA SOBRE O MOMENTO DIFÍCIL QUE ESTÁ PASSANDO

EDILSON TAVARES, UM OUTSIDER QUE DEU CERTO