Se Paulo Preto delatar o que sabe, república do tucanato cai, diz Roberto Amaral

Em meio à crise deflagrada pelo decreto de prisão de Lula por Sérgio Moro, o considerado operador do PSDB foi preso. Suas informações atingiriam governos Mário Covas, José Serra e Alckmin, lembra cientista político

por Eduardo Maretti, da RBA

“Todo mundo viu que o despacho de Moro já estava pronto. 
Ele levou 22 minutos com um texto de várias páginas"

São Paulo – Na situação da mais grave crise da história brasileira recente, no momento em que a decretação da prisão do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva é a principal notícia do país, e repercute no mundo, a prisão do empresário Paulo Preto, nesta sexta-feira (6), ficou em segundo plano, mas não deixa de ser relevante. “Não se está dando muita atenção a isso porque a situação do Lula é mais notícia, mas é um fato novo. Se ele fizer acordo e delatar o que sabe, a república do tucanato cai”, diz o cientista político Roberto Amaral.

Paulo Preto é ex-diretor da empresa paulista de infraestrutura rodoviária, a Dersa, e considerado como operador do PSDB. “Ao deixar o governo, Alckmin já não terá foro privilegiado. E as delações de Paulo Preto atingiriam os governos Mário Covas, José Serra e Alckmin”, lembra Amaral.

O governador Geraldo Alckmin (PSDB) deixou o cargo de governador do estado de São Paulo na tarde desta sexta-feira (6), na Assembleia Legislativa. O vice, Márcio França (PSB), assume o cargo

Como diversos juristas, o cientista político acusa o decreto de prisão de Lula pelo juiz Sérgio Moro de ser “ilegal”, diz Amaral. “Todo mundo viu que o despacho já estava pronto. Ele levou 22 minutos (para escrever e liberar) um texto de várias páginas. É muito grave”, avalia. “Estamos às vésperas das eleições. O Judiciário tirou da disputa um camarada que estava liderando as intenções de voto. Ao lado disto, os candidatos do sistema não decolam. Alckmin não deslancha e o que se está construindo, está sobrando aí, é a candidatura desse Bolsonaro.”

Para ele, o Brasil vive “uma das páginas mais estranhas de sua história”. “Temos um presidente (Michel Temer) que é um pato manco, um homem sem comando. Quem está construindo a história do Brasil é o pessoal de Curitiba. Há um poder Executivo esvaziado, um Legislativo desmoralizado, um Judiciário nas condições que se conhece.”

Na crise, comenta, “o que se verifica é o avanço de estamentos da burocracia estatal, estamentos do Ministério Público, da Polícia Federal, do Judiciário, que estão comandando o processo, independentemente do funcionamento dos poderes.”

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Gabarito preliminar das provas do Concurso Público da Prefeitura de Santa Cruz do Capibaribe

Carreata da Frente Popular lota as ruas de Santa Cruz do Capibaribe em apoio à campanha de Paulo Câmara