O que os presidenciáveis pensam sobre a reforma da Previdência?

Rombo da Previdência será um dos assuntos obrigatórios nas eleições deste ano. Saiba quem é a favor, contra ou fica em cima do muro na hora de falar sobre mudanças nas regras de aposentadoria

Evandro Éboli 
Gazeta do Povo


A necessidade de uma reforma da Previdência está longe de ser consenso mesmo entre os pré-candidatos à Presidência da República. Os postulantes a comandar o país a partir de 2019 se dividem em três grupos: um a favor; outro, contrário; e um terceiro, em cima do muro. 

Nesse terceiro agrupamento há uma subdivisão: tem aqueles que defendem, mas desde que não seja feita por esse governo; e tem os que preferem primeiro ver o texto final para depois emitir juízo. Nestes casos se encaixam, por exemplo, a ex-ministra Marina Silva, da Rede, o senador Alvaro Dias (Podemos) e o ex-governador Ciro Gomes, do PDT. 

Marina reage às críticas de adversários que não tem posição sobre temas polêmicos e de divagar quando não quer se comprometer. 

"Essa é uma percepção autoritária de certos segmentos quando você não repete o discurso que fazem. Os partidos tradicionais de esquerda e de direita nunca defenderam a Lava Jato. E eu defendo. Em relação às reformas, elas são necessárias, mas não a que Temer está fazendo. É ilegítima, não tem popularidade e nem credibilidade. Sou a favor de reformas, desde que não prejudiquem os mais frágeis", disse ela no último sábado (3). 


Reforma da Previdência


O que muda na sua vida SAIBA TUDO SOBRE A REFORMA

Alvaro Dias já afirmou ser a favor de uma reforma "modernizadora", mas prefere esperar o texto da Câmara chegar ao Senado. Se chegar. Se for aprovado pelos deputados. Ciro Gomes vai na linha de que o governo Temer não tem legitimidade para mudanças tão profundas. 

"Não sou contra, temos problemas para resolver. Mas não conheço legitimidade nesse governo. Sou um engravatado, trabalho no ar condicionado e tenho expectativa de vida de 80 anos. E o meu patriota trabalhador rural e o pedreiro?", ironizou Ciro, em entrevista a uma emissora. 

Os dois presidenciáveis do centro, que disputam o apoio do governo, são os maiores entusiastas. O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles (PSD), diz ser necessária a aprovação da reforma para a melhora das finanças do país. Por conta da não aprovação, a agência Standard & Poor's rebaixou a nota de crédito do Brasil. O ministro reconhece a dificuldade de se aprovar essa matéria em ano eleitoral. 


Já o presidente da Câmara Rodrigo Maia (DEM) foi enfático ao assegurar que aprova a reforma em fevereiro. Marcou até data: 19 de fevereiro. Mas já não está tão seguro assim. Seus argumentos vão da necessidade de se cortar privilégios no Brasil e de que, se não for aprovada, corre-se o risco de virar uma Grécia ou um Portugal, países que se viram obrigados a cortar valores das aposentadorias. 

"Defendo reforma da Previdência com uma palavra: igualdade. Não é justo que quem ganha mais se aposente com 50 anos e quem ganha menos, um salário mínimo, se aposente com 65. Se o governo tivesse mais simplicidade na comunicação nossa missão hoje seria mais simples”, disse Maia em Goiânia, semana passada. 

Os favoritos na disputa presidencial são contrários à reforma. "Essa reforma que está aí não será aprovada. Não tem meu apoio. Vai levar à desgraça os aposentados. Dificultará a aposentadoria no país" , argumenta o deputado Jair Bolsonaro (futuro PSL). 

O ex-presidente Lula (PT) faz o discurso mais inflamado contra a reforma da Previdência de Temer. Mas diz que essa é a necessidade "número um, dois e três" do próximo governante. Já chegou a dizer que a Previdência é o maior programa de transferência de renda do país, e não o Bolsa Família.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Gabarito preliminar das provas do Concurso Público da Prefeitura de Santa Cruz do Capibaribe

Carreata da Frente Popular lota as ruas de Santa Cruz do Capibaribe em apoio à campanha de Paulo Câmara