Novos jeitos de comunicar


Em um mundo digital, onde todos têm voz, as empresas precisam se reinventar e investir em conteúdo relevante para comunicar

Fernando Lima e Ivana de Souza, da Änimä
Foto: Clara Gouveia/Divulgação

JC Online

A evolução digital, as novas ferramentas, as novas maneiras de consumir notícia e de comunicar, de modo geral, têm exigido das empresas um jeito diferente de pensar a comunicação. Novas plataformas nasceram, novos modelos surgiram. Muitas vozes participam do debate, de todos os lados: marcas locais, startups, pessoas comuns nas redes sociais. A comunicação deixou de ser discurso dominado por poucos e passou a ser diálogo.

A eficácia de uma comunicação unilateral não é a mesma. Aquele modelo de emissor - receptor - mensagem, que se aprende nas aulas da faculdade, já é ultrapassado. “Hoje tem um bocado de empreendimentos quebrando a cara porque a comunicação começou a ser feita de baixo pra cima também, com um protagonismo espalhado, diversificado”, afirma o fundador da Rima Estratégia e Conteúdo, Ricardo Melo.

Às assessorias de imprensa e agências de publicidade, uniram-se estúdios criativos, núcleos de branded content, escritórios de inteligência de marca e outras tantas formas de melhorar a conversa. As marcas aprenderam que precisam gerar interação e fazer com que o interlocutor participe, sinta, seja verdadeiramente impactado. As redes sociais e demais plataformas digitais têm facilitado e muito essa explosão. Elas geram mais acesso à informação, tornando o leitor mais exigente e cheio de voz.

É por isso que a publicidade, o marketing e o jornalismo que se fazia há cinco anos, por exemplo, por mais recente que a data pareça, não é igual. “Anunciantes estão mais preocupados em gerar experiências de marca do que anunciar produtos e serviços”, explica o sócio da Änimä, escritório de inteligência de marca, Fernando Lima. A Änimä faz naming, branding, planejamento estratégico e pesquisas de mercado para 'descoisificar' as marcas, deixá-las mais perto do humano. “As marcas começaram a perceber que, para estar nesse novo universo onde o diálogo é maior que o discurso, elas precisavam fortalecer a identidade delas. Isso tem muito a ver com o trabalho que a gente faz. Você precisa falar e ouvir. Não existe experiência onde um lado só está falando, é necessariamente uma troca”, continua.

Muitas vezes, essa tal solução passa por um planejamento estratégico, por uma produção de conteúdo relevante e por um modo diferente de pensar a comunicação, como acredita Ricardo Melo. “Existem muitas formas de comunicar, linguagens, plataformas. Comunicação é um elemento sensibilizador, mobilizador, motivador. O que importa não é só se fazer entender”, pontua.

A Rima produz conteúdo para marcas com a ideia de sensibilizar, tocar, interagir e dialogar. Mas tem mais: os próprios publishers estão fazendo sua parte para inovar nos conteúdos para marcas. O branded content vem crescendo ano após ano, mostrando a força do impacto gerado com essa estratégia. No Sistema Jornal do Commercio (SJCC), há um ano o JC360 produz conteúdo para marcas publicando reportagens em vídeo, texto e desenvolvendo estratégias de divulgação para a internet. “A iniciativa de criarmos um departamento específico de branded content foi fundamental para acompanharmos a mudança de hábitos no consumo de informação e relacionamento com as marcas. As pessoas não querem apenas consumir informações elas querem participar, querem fazer parte dela”, explica a gerente de marketing do SJCC, Andrea Pontual. “Para o leitor, se o conteúdo é envolvente, criativo, relevante, não importa se é de branded content ou se é editorial. Jornalistas são ótimos contadores de histórias. E as marcas estão sedentas por contar suas histórias para o público”, diz. Mas uma coisa é certa: nada disso sobrevive sozinho. As mídias tradicionais seguem vivas. “Branded content não substitui outras ações de comunicação e sim potencializa”, conclui.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Gabarito preliminar das provas do Concurso Público da Prefeitura de Santa Cruz do Capibaribe

Carreata da Frente Popular lota as ruas de Santa Cruz do Capibaribe em apoio à campanha de Paulo Câmara