Bolsonaro fica sem reação após ser desafiado por chefe da Anvisa

No último sábado, diretor-presidente da agência reguladora, Antônio Barra Torres, desafiou o presidente da República a apresentar indícios de corrupção no órgão. Palácio do Planalto ainda não comentou o assunto

JV Jorge Vasconcellos
Correio Braziliense

(crédito: Evaristo Sá/AFP)

O presidente Jair Bolsonaro (PL) não esboçou qualquer reação, até o momento, depois de ser desafiado pelo diretor-presidente da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), Antônio Barra Torres, a apresentar indícios de corrupção no órgão regulador.

No último sábado (08/01), Barra torres divulgou uma nota rebatendo declarações feitas por Bolsonaro durante uma entrevista, na quinta-feira (06/01). Na ocasião, o chefe do governo questionou "o que está por trás" da decisão da Anvisa de autorizar a vacinação de crianças de 5 a 11 anos contra a covid-19. Também chamou os defensores da imunização infantil de “tarados por vacinas”.

Na nota divulgada em resposta a Bolsonaro no sábado, Barra Torres afirmou: “Se o senhor dispõe de informações que levantem o menor indício de corrupção sobre este brasileiro, não perca tempo nem prevarique, Senhor Presidente. Determine imediata investigação policial sobre a minha pessoa aliás, sobre qualquer um que trabalhe hoje na Anvisa, que com orgulho eu tenho o privilégio de integrar".

O contra-almirante acrescentou: “Agora, se o Senhor não possui tais informações ou indícios, exerça a grandeza que o seu cargo demanda e, pelo Deus que o senhor tanto cita, se retrate. Estamos combatendo o mesmo inimigo e ainda há muita guerra pela frente".

A resposta de Barra Torres foi um dos assuntos mais comentados nas redes sociais durante o fim de semana e foi tratada pelos internautas como uma "invertida" do chefe da Anvisa no presidente da República. Parlamentares também apoiaram a manifestação do presidente da agência.

Antes de questionar a lisura do trabalho da Anvisa, Bolsonaro já tinha ameaçado, durante uma live, divulgar os nomes dos técnicos da agência que aprovaram a vacinação de crianças contra a covid-19. Após a transmissão, aumentaram as ameaças de morte contra servidores do órgão por causa da questão da imunização infantil contra o novo coronavírus.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

'Chocante é o apoio à tortura de quem furta chocolate', diz advogado que acompanha jovem chicoteado

Em novo caso de nudez, corredora sai pelada em Porto Alegre