Brasil ultrapassa a marca de 500 mil mortes pela covid-19

Desde o início da pandemia, o país soma 500.022 mortes por covid-19, segundo dados do consórcio de veículos da imprensa

CB Correio Braziliense

(crédito: AFP / Michael DANTAS)

Um ano e três meses após o primeiro registro de morte pelo novo coronavírus no Brasil, o país atingiu a marca de 500 mil mortos pela covid-19. Segundo dados do consórcio de veículos da imprensa, o Brasil confirmou mais 1.401 novos óbitos de sexta (18/6) para sábado (19/6) e com isso ultrapassou a triste marca de meio milhão de vidas perdidas para a doença.

Desde o início da pandemia, o país soma 500.022 mortes por covid-19. Além disso, os dados do consórcio formado por Estadão, G1, O Globo, Extra, Folha e UOL em parceria com 27 secretarias estaduais de Saúde, registrou mais 20.483 novos diagnósticos positivos para covid-19. No total, mais de 17,8 milhões de pessoas já se infectaram.

Os dados oficias do Ministério da Saúde só são divulgados no final da tarde, mas também devem confirmar a trágica marca de 500 mil mortes. Isso porque a média móvel de óbitos do país é de 2.038 mortes e o país precisa de registrar 1.501 vidas perdidas neste sábado (19) para superar a marca.

Pelo Twitter, o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, manifestou solidariedade às vítimas da doença. "500 mil vidas perdidas pela pandemia que afeta o nosso Brasil e todo o mundo. Trabalho incansavelmente para vacinar todos os brasileiros no menor tempo possível e mudar esse cenário que nos assola há mais de um ano", afirmou Queiroga.

"Presto minha solidariedade a cada pai, mãe, amigos e parentes, que perderam seus entes queridos", completou o quarto ministro da Saúde do governo Bolsonaro.

Até às 16h20, o presidente Jair Bolsonaro ainda não havia se pronunciado sobre a marca de mortes atingida. Neste sábado (19), atos contra o presidente são organizados por todo país.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Em novo caso de nudez, corredora sai pelada em Porto Alegre

Em 2020, Governo Bolsonaro gastou R$ 15 milhões em leite condensado