Congresso quer demissão de Ernesto Araújo mesmo se Filipe Martins for exonerado

Na Câmara e no Senado, situação de ministro é considerada insustentável, mesmo com afastamento de assessor

Por Agência O Globo | | Agência O Globo

Roque de Sá/Agência Senado
Ernesto Araújo, ministro das Relações Exteriores

A cúpula do Congresso já enviou recados ao Palácio do Planalto de que não haverá pacificação enquanto o ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo , não for demitido. Mesmo com a disposição de Jair Bolsonaro para exonerar o assessor especial da Presidência, Filipe Martins , as cobranças vão continuar. Um dos principais formuladores da política de relações internacionais, Martins foi flagrado fazendo gesto associado à extrema-direita em audiência do Senado.

Integrantes do núcleo do presidente do Senado, Rodrigo Pacheco, afirmam que é como se Ernesto Araújo fosse o "elefante" na sala e, Martins, a "formiga". Enquanto o primeiro atrapalha a política externa e, com isso, afeta a importação de insumos e vacinas, o segundo teve conduta inadequada durante sessão do Senado e fez um gesto passível de investigação. Segundo um aliado de Pacheco, não vai ser "tirando a formiga da sala e deixando o elefante que o problema estará resolvido".

Parlamentares ligados ao governo disseram ao GLOBO que a solução para o impasse ainda vai demorar a ser resolvida. Avaliam que, se Ernesto Araújo for mesmo demitido, isso só ocorrerá "mais para frente".

Por meio de um interlocutor, foi levado ao presidente da República, Jair Bolsonaro, o recado de que Ernesto não pode estar à frente do Itamaraty em um momento em que o Brasil precisa da diplomacia para importar insumos e vacinas.

O presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), não vê qualquer condição de o chanceler atuar e ser "respeitado", por exemplo, por diplomatas chineses e americanos. Em outra frente, o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-RJ), também indicou que não mudará o discurso em relação à política externa de Bolsonaro, que considera desastrosa.

O senador tenta até mesmo fazer uma ponte com a Organização das Nações Unidas (ONU) para antecipar doses do consórcio Covaxi Facility.Entre os senadores, há percepção de que o Brasil hoje é um país isolado, sem condições de dialogar com nações e organismos internacionais.

Leia também
A ideia de Pacheco é enviar nos próximos dias uma carta ao secretário-geral da Organização das Nações Unidas (ONU), o português António Guterrez. Segundo fonte próxima ao presidente do Senado, ele já redigiu o documento. Parlamentares avaliam que a pauta "antiglobalista" promovida por Ernesto Araújo fechou as portas para o diálogo do Brasil na ONU.

- Na diplomacia, a imposição ideológica deve dar lugar à construção de pontes para firmar os acordos possíveis. Precisamos dialogar com capitalistas, com comunistas, com todos - diz Celso Sabino (PSDB-PA), integrante do grupo político de Lira.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Em novo caso de nudez, corredora sai pelada em Porto Alegre

Filho deve substituir Aragão candidato em Santa Cruz