"Auxílio emergencial não é para sempre, tenham isso na cabeça", diz Bolsonaro

Presidente disse que benefício é de "momento" e oneroso demais para a União, apesar de ser "pouco para quem recebe"

Por Agência O Globo

Alan Santos/PR - 9.10.2020
Presidente Jair Bolsonaro e Pedro Guimarães, presidente da Caixa, atenderam
 famílias que recebem o auxílio emergencial no Pará

Em meio às discussões sobre o novo programa assistencial que o governo planeja criar para substituir o Bolsa Família, o Renda Cidadã , o presidente Jair Bolsonaro afirmou nesta sexta-feira (9) que o "auxílio emergencial não é para sempre". Segundo ele, o benefício é de "momento" e é oneroso demais para a União, apesar de ser "pouco para quem recebe".

Leia também
"O auxílio emergencial não é para sempre, tenham isso na cabeça. É um momento, até porque é muito caro para a União, é pouco até para quem recebe, eu reconheço, mas é caro demais para a União", afirmou Bolsonaro em Breves (PA), na ilha do Marajó, durante apresentação do programa Abrace o Marajó.

Nesta quarta-feira, o ministro da Economia, Paulo Guedes, também negou a possibilidade de prorrogar a concessão do auxílio emergencial para 2021. Guedes garantiu que o plano emergencial criado por conta da pandemia de Covid-19 irá até dezembro deste ano, sem extensão.

Mais cedo, Bolsonaro e o presidente da Caixa, Pedro Guimarães, participaram de um atendimento bancário em uma agência-barco, na cidade. Sem máscara, os dois conversaram com uma família beneficiária do auxílio emergencial.

"Hoje eu senti a emoção também de realizar o pagamento de mais uma família do auxílio emergencial. Sabemos os efeitos dessa pandemia. Lamentavelmente, alguns obrigaram vocês a ficarem em casa, eu não tive participação nisso por decisão do Supremo Tribunal Federal (STF), mas fizemos tudo possível para minimizar a dor, em especial o sofrimento dos mais humildes", afirmou o presidente durante a cerimônia.

Apesar da afirmação de Bolsonaro, na decisão do Supremo em abril, os ministros concordaram que o governo federal também poderia tomar medidas para conter a pandemia, mas em casos de abrangência nacional.

Sem citar quais, o presidente disse ainda que as outras medidas tomadas pelo governo durante a pandemia devem fazer com que o país volte à normalidade "brevemente".

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Em novo caso de nudez, corredora sai pelada em Porto Alegre

CICLISTAS SANTA-CRUZENSES DE MALAS PRONTAS PARA NOVOS DESAFIOS