Natal será de preços em alta e mais desemprego, prevê economista

FOTO: ANTONIO CUNHA/CB/D.A. PRESS

Correio Braziliense

O presidente Jair Bolsonaro pode ligar o sinal de alerta. Pelo que projetam os especialistas, além de a economia continuar andando a passos lentos, o país terá um Natal de preços em alta e de mais desemprego. Uma combinação explosiva para quem só pensa na reeleição.

Segundo o economista-chefe da Confederação Nacional do Comércio (CNC), Carlos Thadeu de Freitas Gomes, os preços dos alimentos continuarão subindo. E todos os produtos tradicionais do Natal, que, na maioria, são importados, incorporarão a disparada do dólar. “Não será fácil”, afirma.

Pelos cálculos de Freitas Gomes, em meio à onda de reajustes de preços — a inflação dos últimos três meses do ano será maior do que o projetado inicialmente —, mais brasileiros voltarão a procurar emprego. Como não haverá vagas para a grande maioria, o desemprego continuará subindo, superando os 15% (está em 14,3%).

No caso da inflação, acrescenta o economista da CNC, os preços tenderão a dar uma acomodada, mas não vão cair. Em relação ao desemprego, diz ele, a situação será mais dramática, pois a escassez de vagas vai aumentar. No mínimo, a economia levará oito trimestres para retornar aos níveis pré-pandemia.

“Historicamente, no Brasil, os Natais mais abundantes sempre foram aqueles com dólar barato e sem a preocupação de procurar emprego”, afirma Freitas Gomes. É um quadro exatamente diferente do que o que estamos vendo agora. Faltam empregos e o dólar caminha para R$ 6.

Crédito ficando mais caro

Há outro agravante no horizonte: o encarecimento do crédito. Apesar de o Banco Central ter mantido a taxa básica de juros (Selic) em 2% ao ano, o nível mais baixo da história, os juros futuros, que servem de parâmetro para a formação do custo do dinheiro, estão em disparada.

E o motivo, afirma o chefe do Departamento Econômico da CNC, é o próprio Banco Central, que errou na comunicação com o mercado. Em vez de alertar que os juros devem subir por causa da inflação e do rombo nas contas públicas, a autoridade monetária indicou que a Selic pode cair.

Isso criou um desconfiança enorme entre os agentes econômicas, tanto que está havendo uma corrida em busca de proteção no dólar e a Bolsa de Valores está desabando. O resultado disso é que os poupadores estão vendo as economias derreterem e quem precisa de empréstimo vem pagando mais caro.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Em novo caso de nudez, corredora sai pelada em Porto Alegre

Filho deve substituir Aragão candidato em Santa Cruz