PARÁ FM. 10 ANOS DE HISTÓRIA


Nossa História
Por Edson Tavares

Hoje é um dia de comemoração na Vila do Pará. A nossa coirmã Rádio Pará FM está aniversariando hoje, e todo o pessoal está em festa. Afinal são dezoito anos que a atuação da emissora ultrapassa os estúdios e interfere, influencia, traz melhoramentos à comunidade da Vila.

A Rádio Pará FM tem uma história de persistência e luta de 18 anos. Desde o início, esteve à frente da administração da emissora o Ailson de Oliveira Queiroz, o conhecido Wilsinho do Pará, uma figura que tem uma preocupação constante pelo bem estar da sua comunidade.

Há quase duas décadas, ninguém imaginava em criar um emissora de rádio num distrito; todas as rádios sempre encontram-se instaladas na sede do município. A Pará FM tem suas instalações localizadas na Rua Lourivaldo Pereira Arruda, nº 155, no distrito do Pará.

A história dessa rádio começa dois anos antes, em 2000, quando o sobrinho de Wilsinho do Pará, Roberval de Oliveira, juntamente dom dois amigos, José Marcos (conhecido como Zé Muamba) e Branco Cambraia (popular Pé de Pano), estiveram conversando com o Cumpadre Neto, conhecido radialista de Santa Cruz, e resolveram montar uma rádio no distrito. Com equipamentos de pouca potência, criaram a rádio, ainda pirata. Mas a empolgação passou em menos de um mês. Foi quando Wilson Oliveira assumiu as rédeas da rádio, cuidando primeiramente dos trâmites oficiais para a legalização da emissora, o que somente aconteceria oito anos depois, na data de hoje.

Como é uma rádio comunitária, precisa estar vinculada a uma associação, que foi igualmente criada.

Um dos projetos encampados pela emissora recebeu o nome de “Pará pela Paz”, e foi motivado pelo clima de insegurança que reinava na comunidade. Aliás, tem uma história curiosa, que já entrou para o baú de casos pitorescos da rádio. Havia um ladrão, morador da sede do município, que roubava com data marcada. A cada 15 dias, ele ia ao distrito do Pará e fazia a limpa, principalmente nos mercadinhos. A rádio viabilizou a presença de agentes da polícia civil, no dia que o meliante marcava para roubar, a fim de evitar sua prisão. Quando se articulavam, na calçada do prédio da emissora, sobre como agir, o marginal passa de moto na frente da emissora, sendo abordado e tendo recebido voz de prisão.

O resultado do projeto foi amplamente divulgado pela mídia regional, pelo sucesso alcançado: foram mais de 2000 dias sem uma ocorrência policial na Vila, e mais de 5 anos sem registrar homicídio no Pará e adjacências.



Quanto a questão política, a emissora procura se manter equidistante de todas as alas do município, cedendo espaço a políticos de todos os grupos, indistintamente, em entrevistas e debates.

Com apoios culturais resumidos, e curiosamente nenhum da comunidade, a rádio se equilibra num orçamento sempre apertado, mas bem administrado.

Seu caráter de ineditismo é realçado pelo fato de ser uma comunidade pequena, de menos de 1000 habitantes, e já possuir uma rádio comunitária. E a audiência é muito boa, tanto no Pará quanto em Poço Fundo, e se espalha pelos sítios vizinhos, mas pode chegar a todo o planeta, uma vez que o áudio pode ser captado pelo site da emissora: www.parafm87.com.br.

É uma rádio que realmente cumpre o propósito de uma rádio comunitária, que é cuidar da comunidade, dentro de suas possibilidades. Por exemplo, um médico é convidado para uma entrevista e, logo após, presta atendimento às pessoas que dele necessitam. E os exemplos de ações em prol da comunidade se multiplicam.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Em novo caso de nudez, corredora sai pelada em Porto Alegre

CICLISTAS SANTA-CRUZENSES DE MALAS PRONTAS PARA NOVOS DESAFIOS