Caso Miguel: Sari Corte Real vira ré e tem dez dias para se defender

Em decisão, juiz apontou 'indícios de autoria e materialidade do delito'

Por Agência O Globo

Reprodução
No dia da morte da criança, Sari foi presa em flagrante por homicídio culposo, quando não há a intenção de matar, e liberada após o pagar fiança de R$ 20 mil

Sari Corte Real virou ré e tem dez dias para responder à acusação de abandono de incapaz com resultado em morte no caso Miguel. A primeira-dama de Tamandaré (PE) estava responsável pelo menino de 5 anos, filho de sua ex-empregada, quando ele caiu do 9º andar de um prédio de luxo em Recife.

Leia também
Segundo a denúncia do Ministério Público de Pernambuco (MP-PE), o crime de Sari se agrava por ter sido contra uma criança durante situação de calamidade pública, a pandemia de Covid-19. O inquérito foi recebido na noite desta terça-feira (14) pelo juiz José Renato Bizerra, da 1ª Vara de Crimes contra a Criança e o Adolescente da Capital.

O caso aconteceu no dia 2 de junho, quando Mirtes Souza deixou seu filho, Miguel Otávio, com sua ex-patroa, Sari Corte Real, enquanto passeava os cachorros da primeira-dama. Miguel caiu de uma altura de 35 metros.

Na decisão, o juiz considerou que Sari assumiu o papel de "garantidor" sobre Miguel pelo tempo em que a mãe dele estava ausente. O magistrado também aponta "indícios de autoria e materialidade do delito".

Bizerra ordenou a citação de Sari, com cópia da denúncia. O prazo de dez dias se refere à apresentação de respostas por escrito, onde Sari poderá alegar tudo o que interessa a sua defesa, oferecer documentos, especificar provas pretendidas e arrolar testemunhas.

Em entrevista recente ao "Fantástico", da TV Globo, Sari disse que errou ao não desconfiar do perigo de deixar o menino sozinho em um elevador. "Eu não achei que seria essa tragédia. Eu acreditei que ele voltaria para o andar, que ele voltaria para o quinto andar, até porque ele sabia o número, eu acreditei que ele voltaria para o andar", disse Sari, que acrescentou que "acho que o meu erro foi fazer igual a eu fazia com o meu filho, de achar que o elevador é seguro".

No dia da morte da criança, Sari foi presa em flagrante por homicídio culposo, quando não há a intenção de matar, e liberada após o pagar fiança de R$ 20 mil. Ela diz que cumprirá a decisão da Justiça sobre o caso, e acredita que não pode ser julgada por Mirtes ou pela população por causa da tragédia.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Em novo caso de nudez, corredora sai pelada em Porto Alegre

CICLISTAS SANTA-CRUZENSES DE MALAS PRONTAS PARA NOVOS DESAFIOS