Regina Duarte silencia sobre as mortes de Flávio Migliaccio e Aldir Blanc


Regina Duarte não se manifestou sobre a morte de Flávio Migliaccio. Nem sobre a de Aldir Blanc. Ficou em silêncio sobre o falecimento de Rubem Fonseca, de Moraes Moreira, de Garcia-Roza. No caso de Migliaccio, uma perversidade especial: ele era ator como ela. Mais do que isso: chegaram a atuar juntos em novelas

Flávio Migliaccio, Aldir Blanc e Regina Duarte

Regina Duarte, secretária da Cultura do governo Bolsonaro, não divulgou uma nota pública de pesar pela morte do escritor e compositor Aldir Blanc, ocorrida nesta segunda-feira (4), aos 73 anos, vítima do coronavírus.

A secretária também não lamentou publicamente a morte de Flávio Migliaccio. O ator é ex-colega de trabalho de Regina e tinha mais de 50 anos de carreira. Ele foi encontrado morto no sítio onde morava e deixou uma carta de despedida em que lamentou a situação do país (veja aqui).

Até o fechamento deste texto, não há nenhuma manifestação da atriz em seu Instagram, onde costuma ser bastante ativa. A verdade é que Regina Duarte teme represálias do presidente Jair Bolsonaro.

Aldir Blanc, um dos maiores compositores do Brasil, traduziu os anos trágicos da ditadura militar e deixa uma das obras mais engenhosas da música brasileira. A canção “O Bêbado e a Equilibrista” é considerada o hino da anistia.

Para o bolsonarismo, Blanc não deve ser rememorado ou mencionado porque era considerado “de esquerda”. O mesmo vale para o ator Flávio Migliaccio.

Segundo Kiko Nogueira, do DCM, o silêncio de Regina Duarte é perverso. “Ela [também] ficou em silêncio sobre o falecimento de Rubem Fonseca, de Moraes Moreira, de Garcia-Roza”, lembra.

“No caso de Migliaccio, uma perversidade especial: ele era ator como ela. Mais do que isso: chegaram a atuar juntos em novelas. Flávio deixou um bilhete suicida de cortar o coração […] Ele se referia à nação que tem Regina como secretária de Cultura”, observa Nogueira.

“Por que Regina não dirá nada sobre esses artistas que nos deixam irremediavelmente mais pobres? Por medo de Bolsonaro e de seus milicianos virtuais, segundo a mídia reporta. Mas a razão verdadeira é outra: quem morreu foi Regina Duarte. Ela apodrece mais a cada dia ao lado dessa gente porca. Eles estão vivos […] Que Regina Duarte não descanse em paz”, finaliza.

Senadores lamentam mortes

A importância do poeta, letrista e cronista Aldir Blanc para a cultura brasileira foi lembrada nesta segunda-feira por senadores que lamentaram sua morte. Flávio Migliaccio também foi lembrado.

Blanc estava sendo atendido desde o dia 15 de março no Centro de Terapia Intensiva do Hospital Universitário Pedro Ernesto (HUPE), em Vila Isabel (RJ), depois de ser internado no dia 10 daquele mês na emergência do Hospital Miguel Couto, ambas instituições públicas. Como não tinha plano de saúde, quando seu estado se agravou foi necessária uma campanha para conseguir tratamento em UTI. Diabético, ele resistiu por 24 dias ao colapso causado em seu organismo pelas complicações do coronavírus.

“Caiu a tarde feito um viaduto. Perdemos Aldir Blanc para a covid-19. É uma dor assim, pungente… Vai com ele uma genialidade musical sem tamanho. O Brasil fica menos colorido, menos arte, menos feliz hoje. Meus sentimentos à família e amigos. Obrigado por tudo, mestre”, publicou em sua conta no Twitter o senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP).

“’A esperança equilibrista sabe que o show de todo artista tem que continuar’. É com esse lindo trecho do hino da anistia, escrito por ele, que me despeço de Aldir Blanc. Deus o tenha! Continuará sendo voz visionária entre nós. Sua arte é imortal!”, publicou o senador Fabiano Contarato (Rede-ES)

O Brasil perde uma figura de altíssima relevância para a cultura nacional. Não somente por seus versos ricos e cheios de significados de suas composições musicais, como O Bêbado e a Equilibrista, mas por sua obra como um todo, passando pela literatura e pelas crônicas que marcaram a vida e história de muitos brasileiros, disse o senador Dario Berger (MDB-SC).

O senador Eduardo Braga (MDB-AM) escreveu no Twitter que o Brasil tem um “dia triste” para sua cultura em razão da perda da poesia de Blanc e do talento do ator Flávio Migliaccio.

“Hoje é um dia muito triste para a cultura brasileira, perdemos Flávio Migliaccio, que tanto nos divertiu em inúmeros papéis ao longo de sua carreira no teatro e na TV, e também o músico Aldir Blanc, que não resistiu a esse mal que aterroriza o mundo”, disse a senadora Eliziane Gama (Cidadania-MA).

Formado em Medicina (1966), com especialização em psiquiatria, Aldir Blanc abandonou a carreira médica em 1973, passando a dedicar-se à atividade de letrista. Chegou a atuar por pouco tempo como baterista. Seu primeiro sucesso, em parceria com Bosco, foi Bala com Bala, na voz de Elis Regina, responsável também por popularizar a canção que seis anos depois faria um réquiem às vítimas da ditadura militar e celebraria a “esperança equilibrista” num futuro luminoso para o Brasil.

Da parceria com João Bosco, sobressairiam ainda De Frente Pro Crime, Caça à Raposa e Kid Cavaquinho, todas com forte conteúdo social e político, as principais marcas da poesia de dele, de par com o lirismo ácido. Blanc também publicou crônicas. Além de estudioso incansável dedicou-se à observação da vida e da cultura do Rio de Janeiro, principalmente nos subúrbios e favelas.

Siga-nos no Instagram | Twitter | Facebook

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Em novo caso de nudez, corredora sai pelada em Porto Alegre

CICLISTAS SANTA-CRUZENSES DE MALAS PRONTAS PARA NOVOS DESAFIOS