Prevenção ao suicídio: João Paulo ressalta importância do Setembro Amarelo

TRIBUNA – “Saudamos a iniciativa, que prevê um mês de ações para esclarecer sobre o tema e reduzir o número de ocorrências.”
 Foto: Roberto Soares

A campanha nacional para conscientizar sobre a prevenção ao suicídio foi tema do pronunciamento do deputado João Paulo (PCdoB), na Reunião Plenária desta segunda (16). O parlamentar chamou atenção para o aumento no número de casos, em especial entre pessoas jovens, segundo estudo realizado pela Consultoria Legislativa da Assembleia, a pedido dele. De acordo com o documento, mais de 800 mil pessoas tiram a própria vida por ano no mundo e, no Brasil, são cerca de 32 pessoas por dia. “Saudamos o Setembro Amarelo, que prevê um mês de ações para esclarecer sobre o tema e reduzir o número de ocorrências”, pontuou.

João Paulo afirmou que, desde 2015, o Ministério da Saúde fez uma parceria com o Centro de Valorização da Vida (CVV), que, por meio do telefone 188, possibilita às pessoas desabafarem e falarem sobre seus sentimentos sem receber críticas. “O serviço é uma maneira de evitar que as pessoas pensem na morte como solução para suas dores”, ressaltou. O deputado também destacou que, entre as causas do suicídio, as mais comuns são a depressão e problemas econômicos. “A maior parte dos casos está ligada às relações em sociedade e envolve, principalmente, pessoas desempregadas”, observou.

João Paulo ainda citou dados da Organização Mundial de Saúde (OMS) sobre o assunto. “Os dados revelam que 90% dos casos poderiam ser evitados se houvesse políticas de intervenção do Estado. Um serviço público de saúde de qualidade é fundamental para isso e, no Brasil, esperamos que a rede SUS esteja plenamente adaptada para atender a essa demanda”, frisou.

Em apartes, os deputados Joel da Harpa (PP), Diogo Moraes (PSB) e Tony Gel (MDB) também fizeram alertas sobre o tema. “Há 15 dias, fiz um pronunciamento sobre o índice de suicídio no meio policial. O programa Fantástico mostrou ontem que Pernambuco possui o maior número de policiais que se afasta do serviço por causa da depressão. Em cinco anos, foram cinco mil homens”, disse Joel. “Suicídio é o último recurso do ser humano para sanar uma dor. Temos de rever o programa público de saúde mental”, afirmou Moraes. “Todos nós devemos dar nossa parcela de colaboração para reverter esse problema, que mais parece uma ‘epidemia’”, comentou Tony Gel.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

MÉDICOS CUBANOS GANHAM DESPEDIDA, NA SEDE DA UESCC, EM SANTA CRUZ DO CAPIBARIBE