Moradoras querem que deficientes parem de ir à praia do Cabo Branco para não ‘tirar beleza do lugar’ que tem ‘gente ilustre’

Parlamento PB



Um grupo de moradoras do bairro do Cabo Branco, área em que fica o metro quadrado mais caro da Paraíba, procurou na manhã de hoje a vereadora Helena Holanda (Progressistas) para pedir que ela impedisse ou restringisse a presença de pessoas com deficiência na orla da capital paraibana. É que Helena é uma das incentivadoras do Acesso Cidadão, um projeto realizado pela prefeitura de João Pessoa que acontece todos os sábados, no trecho em frente à Fundação Casa de José Américo, contando também com o apoio de voluntários que são orientados para atender às necessidades especiais dos usuários.

“Reclamaram do som, mas nós só ficamos lá até o meio-dia e também vieram reclamar, em tom de intimação, a mudar o projeto de lugar porque estava incomodando e retirando a beleza natural porque ali moraram muitas pessoas ilustres, muitas pessoas de renome e que a praia teria que ter uma história diferenciada. Eu não respondi à altura porque são pessoas idosas e eu devo receber as demandas e executar se puder e achar necessário. Essa eu jamais executarei. Pelo contrário, o projeto vai permanecer lá e será ampliado”, declarou Helena.

Ela acrescentou que, diante de sua recusa em recuar com o projeto que leva as pessoas com deficiência ao banho de mar e a esportes aquáticos, as moradoras sugeriram que ela cercasse a área utilizada pelos usuários: “Fizeram um pedido repetitivo para cercar o local do projeto, que fosse isolada e colocassem um portão”.

Acesso cidadão – O programa tem como objetivo fazer com que pessoas com deficiência ou mobilidade reduzida possam aproveitar o fim de semana para tomar um banho de mar. As atividades começaram em dezembro de 2012, na gestão do então prefeito Luciano Agra (in memoriam) e proporcionam acessibilidade sempre aos sábados, das 7h às 12h, em frente à Fundação Casa José Américo de Almeida.

O projeto, que também prevê o acesso a jogos esportivos, lazer e cultura, é resultado de uma parceria da Prefeitura Municipal de João Pessoa (PMJP), por meio da Secretaria de Planejamento (Seplan), com a Fundação Casa José Américo; a ONG Assessoria e Consultoria para Inclusão Social; e a Fundação Centro Integrado de Apoio ao Portador de Deficiência (Funad).

Fonte: Parlamento PB
Créditos: Parlamento PB

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

MÉDICOS CUBANOS GANHAM DESPEDIDA, NA SEDE DA UESCC, EM SANTA CRUZ DO CAPIBARIBE