Bolsonaro anula independência do Coaf com novo decreto, diz cientista político

@AFP 2019/SÉRGIO LIMA

O Conselho de Atividades Financeiras (Coaf) agora é a Unidade de Inteligência Financeira (UIF) e está vinculado ao Banco Central. O professor da Universidade Federal de Ouro Preto (UFOP) Antônio Marcelo Jackson avalia que a mudança acaba com a independência do órgão.

A mudança foi feita via medida provisória pelo presidente Jair Bolsonaro (PSL) na segunda-feira (19). O texto da MP, que precisa ser aprovada pelo Congresso, mas já entra em vigor imediatamente, determina que o novo órgão "é responsável por produzir e gerir informações de inteligência financeira para a prevenção e o combate à lavagem de dinheiro, ao financiamento do terrorismo e ao financiamento da proliferação de armas de destruição em massa."
Criado em 1998 pelo então presidente Fernando Henrique Cardoso (PSDB), o Coaf sempre esteve vinculado ao Ministério da Economia, mas chegou a ser transferido ao Ministério da Justiça após pedido do ministro Sergio Moro. Ele voltou ao Ministério da Economia e agora vai ao Banco Central porque, segundo Bolsonaro, é preciso "tirar o Coaf do jogo político".
Antes, o Conselho Deliberativo do Coaf, responsável pelo rumo do órgão, precisava ser formado por servidores da área e de determinados entes do serviço público com atuação no combate ao crime organizado. Com o decreto, as restrições para indicar membros do Conselho foram afrouxadas e há a determinação de que eles precisam ser "cidadãos brasileiros com reputação ilibada e reconhecidos conhecimentos".
Na avaliação de Jackson, as mudanças promovidas por Bolsonaro fazem o Coaf "desaparecer por completo". O professor da UFOP diz que é "gravíssimo" o presidente desmontar uma "política de Estado" que atravessou sem alterações consideráveis a gestão de três presidentes.
O Coaf ganhou protagonismo em dezembro de 2018 ao encontrar movimentações atípicas no gabinete do então deputado estadual Flávio Bolsonaro. Segundo a apuração do órgão, Fabrício Queiroz movimentou R$ 7 milhões ao longo de três anos. A suspeita é de que o motorista do filho do presidente e hoje senador recebia dinheiro de outros membros do gabinete de Flávio.
Entre as movimentações encontradas pelo Coaf, está um cheque de R$ 24 mil para a primeira-dama Michelle Bolsonaro.
O presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Dias Toffoli, suspendeu a tramitaçãodo processo contra Flávio Bolsonaro aberto pelo Ministério Público do Rio de Janeiro com dados do Coaf.
Jackson diz que Bolsonaro não aceita críticas aos seus filhos e mistura assuntos privados com seu cargo: "Ele não aceita críticas aos seus filhos, até aí como pai ele tem todo o direito, ou não, mas ele aproveita a circunstância de ser presidente da República e toma atitudes que mudam as instituições do país ao seu bel prazer"
O professor da UFOP também diz que a MP de Bolsonaro remonta aos seus tempos como deputado federal do baixo clero: "Você pode até abandonar o baixíssimo clero, mas o baixíssimo clero jamais abandonará você. Ele, como presidente da República, continua agindo como um qualquer".

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

MÉDICOS CUBANOS GANHAM DESPEDIDA, NA SEDE DA UESCC, EM SANTA CRUZ DO CAPIBARIBE