Instituto Federal de Brasília: R$ 10 mi bloqueados e bolsas suspensas

Segundo o IFB, corte nas despesas inviabiliza pesquisas, funcionamento nos próximos meses e compromete a qualidade do ensino

DANIEL FERREIRA/METRÓPOLES

Metrópopes

No Distrito Federal, não é só a Universidade de Brasília (UnB) que sofre com a tesourada na verba vinda dos cofres da União. Após identificar bloqueio de R$ 10,8 milhões, o Instituto Federal de Brasília (IFB) suspendeu novos editais de pesquisa aplicada que contribuiriam com desenvolvimento da economia local, bolsas de iniciação científica para o segundo semestre e a participação dos alunos em visitas técnicas e eventos. O valor do contingenciamento corresponde a 36,5% do orçamento previsto para 2019.

Segundo o IFB, a redução nos valores previstos para despesas “inviabiliza o funcionamento” nos próximos meses. Além disso, acrescenta, vai “resultar no cancelamento de ações programadas, especialmente nas áreas de pesquisa, inovação e extensão, comprometendo por consequência a qualidade de ensino”. Com 10 campi, o instituto tem 20 mil estudantes em 48 cursos técnicos, 25 superiores, quatro pós-graduações, mais de 50 cursos de formação inicial e continuada, além de 78 grupos de pesquisa.

MAIS SOBRE O ASSUNTO
O IFB destacou, ainda, que o bloqueio do Ministério da Economia (MEC)atinge a capacitação de servidores e novos investimentos, como aquisição de equipamentos e obras de infraestrutura. “Represar ou retirar recursos da educação nunca pode ser alternativa para resolver a crise econômica, pois educação é um dos pilares para o desenvolvimento de uma nação”, acrescentou, em nota divulgada no site oficial da instituição.

Devido às dificuldades, nesta terça-feira (14/05/2019) será feita mobilização: haverá um “abraço de solidariedade” no campus da Asa Norte, às 13h. São esperados parlamentares das câmaras Legislativa e dos Deputados.

Aperto

Segundo a instituição, na Lei Orçamentária Anual (LOA) estão previstos R$ 29,6 milhões para custeio, dos quais R$ 8,8 milhões foram executados entre janeiro e abril de 2019, com serviços básicos para manutenção, a exemplo de energia, água, internet e segurança.

Com a redução, o IFB prevê que terá, para as despesas dos oito meses restantes do ano, aproximadamente o mesmo que gastou em quatro meses. “Ocorre que o bloqueio no custeio do IFB é de 36,5% sobre o total previsto no orçamento. Isso significa que, para os oito meses restantes do ano, sobram apenas 30% dos recursos previstos.”

No âmbito distrital, a Universidade de Brasília também sofre com o contingenciamento de dinheiro. Até abril, o bloqueio feito pelo Ministério da Educação era de R$ 38,5 milhões, segundo identificado pela UnB no Sistema Integrado de Administração Financeira do Governo Federal (Siafi). No entanto, sem nenhum aviso, o contingenciamento aumentou para R$ 48,5 milhões, no último dia 3.

Tentativa de reversão

O Conselho Nacional das Instituições da Rede Federal de Educação Profissional, Científica e Tecnológica (Conif) divulgou que tenta reverter o bloqueio do MEC de 30% do orçamento das instituições federais de ensino – aproximadamente, R$ 900 milhões.

Na última quinta-feira (09/05/2019), o colegiado disse acreditar na compreensão do Poder Executivo para reverter o bloqueio e evitar a possibilidade de judicialização. “É legítima a afirmação de que as instituições já adotaram todos os redimensionamentos e adequações factíveis no que se refere a serviços essenciais, como energia elétrica, água, internet, alimentação, limpeza, manutenção, vigilância e outros.”

O Conif frisou que estão em andamento mais de 11 mil projetos de pesquisa e 6 mil de extensão tecnológica na rede, e indicadores de qualidade “realçam a eficiência dos serviços prestados”. “É o caso do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), no qual os estudantes da rede federal superam o rendimento dos demais sistemas educacionais em todas as edições”, afirmou.

O outro lado

O MEC disse que o “bloqueio preventivo” realizado nos últimos dias atingiu 3,4% do orçamento total das instituições de ensino. “O bloqueio de dotação orçamentária realizado pelo MEC foi operacional, técnico e isonômico para todas as universidades e institutos”, pontuou.

A medida, segundo o ministério, foi tomada por causa da restrição orçamentária imposta a toda a administração pública federal por meio do Decreto nº 9.741, de 28 de março de 2019, e da Portaria nº 144, de 2 de maio de 2019.

“O bloqueio orçamentário nas universidades não incluiu as despesas para pagamento de salários de professores, outros servidores, inativos e pensionistas, benefícios, assistência estudantil, emendas parlamentares impositivas e receitas próprias”, explicou.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Gabarito preliminar das provas do Concurso Público da Prefeitura de Santa Cruz do Capibaribe

Carreata da Frente Popular lota as ruas de Santa Cruz do Capibaribe em apoio à campanha de Paulo Câmara